sicnot

Perfil

Economia

Governo diz que riscos apontados pela ARC Ratings estão a ser ultrapassados

O Ministério das Finanças afirmou esta segunda-feira que os riscos apontados pela agência ARC Ratings "têm vindo a ser ultrapassados com sucesso" e assegurou que o próximo Orçamento do Estado será responsável e favorecerá o crescimento económico.

A agência de notação financeira ARC Ratings manteve esta segunda-feira a nota atribuída a Portugal em BBB-, o primeiro grau acima de lixo, mas piorou a perspetiva para negativa, abrindo a porta a uma revisão em baixa na próxima avaliação, mostrando-se preocupada com o fraco crescimento económico e com a situação da banca.

"Os riscos económicos e políticos referidos pela agência têm vindo a ser ultrapassados com sucesso, nomeadamente com a boa execução orçamental verificada desde o início do ano e com as medidas de apoio ao investimento. Portugal está no bom caminho para o cumprimento do objetivo definido pela Comissão Europeia que retira o país do Procedimento por Défices Excessivos", afirma o Ministério das Finanças numa reação enviada à agência Lusa.

Para o ministério tutelado por Mário Centeno a recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD) revela também "a firme decisão do Governo de avançar com um plano definitivo de estabilização do setor financeiro que terá um papel fundamental no investimento e no crescimento económico".

Já quanto ao crescimento económico, o ministério reconhece que o primeiro semestre foi "muito afetado por condicionantes externas, particularmente o abrandamento da economia dos mercados emergentes (afetando particularmente as exportações para Angola)", mas considera que "no segundo semestre foram já visíveis sinais de aceleração", com destaque para as exportações e o investimento.

"Relativamente ao investimento, a tendência de longo prazo de desaceleração, é comum à generalidade dos países desenvolvidos, não sendo específica de Portugal. Os indicadores de atividade e de confiança melhoraram face ao final do ano passado o que reforça as perspetivas otimistas para o segundo semestre de 2016", afirmam as Finanças.

Por fim, o ministério de Mário Centeno afirma que "Portugal está neste momento a preparar o Orçamento do Estado para 2017", assegurando que será "um Orçamento responsável, que favorece o crescimento económico e a criação de emprego e que, simultaneamente, reitera o rigor na execução orçamental".

Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00

    Reportagem Especial

    Todos os anos, o Estado gasta centenas de milhões de euros para financiar os meios de combate aos incêndios. A reportagem especial da SIC denuncia falta de rigor e clareza em muitos dos negócios.

  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.