sicnot

Perfil

Economia

Diretor financeiro da Oi demite-se e é substituído por membro da Pharol

O diretor de financeiro e relações com investidores da Oi, Flavio Nicolay Guimarães, demitiu-se e foi substituído por um elemento do conselho de administração da Pharol, antiga PT SGPS. A informação foi divulgada esta terça-feira através de um comunicado, no qual não são avançadas as razões para o pedido de demissão de Flavio Nicolay Guimarães.

Na nota, a empresa acrescenta que o conselho de administração elegeu para o cargo "Ricardo Malavazi Martins, o qual renunciou à sua posição de membro do conselho de administração da companhia".

Atualmente, Ricardo Malavazi Martins "é sócio da TPYX Assessoria Empresarial e membro dos conselhos de administração da Jereissati Participações S.A. e da Pharol SGPS, S.A., além de membro do Comité de Governança Corporativa da Câmara Americana de São Paulo desde 2003", lê-se no comunicado.

O economista já trabalhou em áreas económicas de instituições financeiras e foi direitor financeiro e de investimentos da Fundação Petrobras de Seguridade Social (Petros) e diretor e consultor da Stratus Investimentos.

"Já atuou como membro do conselho de administração e/ou fiscal de diversas companhias e também como membro do Conselho Consultivo da ABVCAP [Associação Brasileira de Venture Capital e Private Equity] e da Comissão de Investimentos da ABRAPP [Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar]", segundo a Oi.

A empresa informou também hoje que Marcos Grodetzky renunciou ao cargo que mantinha no conselho de administração, sem avançar as razões.

A demissão ocorreu numa altura em que o acionista minoritário, Société Mondiale, pedia a sua saída, bem como a de outros membros ligados à Pharol.

Estas duas saídas podem ser um sinal da evolução das negociações entre o Société Mondiale e a Pharol, segundo a imprensa brasileira.

A Pharol detém cerca de 27% da empresa, enquanto o fundo brasileiro Société Mundiale conta com 7%.

A Oi vive momentos de incerteza, depois de ter apresentado um pedido de recuperação judicial, por não ter conseguido negociar a sua dívida de 65,4 mil milhões de reais (17,556 mil milhões de euros).

O plano de recuperação judicial apresentado na semana passada, para tentar contornar a falência, não agradou ao grupo de credores representado pela Moelis & Company, detentor de 40% dos títulos de dívida da Oi.

Lusa

  • Centro comercial em Manchester evacuado

    Mundo

    Um centro comercial foi evacuado esta manhã, no centro de Manchester. Testemunhas dizem ter ouvido um "grande estrondo". O incidente acontece horas depois do ataque na Manchester Arena, no final da atuação da cantora Ariana Grande, no qual morreram pelo menos 22 pessoas. O espaço comercial em Manchester foi entretanto reaberto. A polícia começou a retirar o cordão de segurança, pouco tempo depois de ser dado o alerta. Uma pessoa foi detida.

  • Dois em cada três idosos em Portugal são sedentários

    País

    É a camada da população mais inativa e com comportamentos que revelam um estilo de vida menos saudável, segundo um estudo divulgado hoje, que analisou os dados de mais de 10.600 portugueses representativos da população, entre os quais mais de 2.300 pessoas com mais de 65 anos.

  • "Michel Temer nunca teve vergonha, não tem cara de pessoa de bem"
    3:04

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou no habitual espaço de comentário do Jornal da Noite  da SIC, o escândalo com o Presidente do Brasil, Michael Temer. O comentador diz que já era previsível que Temer fosse apanhado com "o pé na poça" e afirma que o Presidente brasileiro nunca teve qualquer tipo de vergonha. Miguel Sousa Tavares fez ainda referência ao facto de Dilma Rousseff ser, entre todos os políticos brasileiros, a única que não tem processos contra ela.

    Miguel Sousa Tavares

  • Julgamento do caso BPN deverá terminar quarta-feira
    4:38

    Economia

    O acórdão do processo principal do BPN vai ser tornado público esta quarta-feira, depois de quase sete anos de audições. O rosto principal é o de José Oliveira Costa mas há outros 14 arguidos sentados no banco dos réus.