sicnot

Perfil

Economia

Promoções representam quase metade das vendas dos hipermercados

Segundo dados da Direção-Geral dos Assuntos Económicos e Financeiros, o indicador do sentimento económico recuou em janeiro para os 105 pontos na zona euro e para os 106,7 na UE.Em Portugal, o indicador aumentou para os 105,2 pontos.A deterioração do sentimento económico da zona euro resultou da pioria da confiança em todos os setores de negócio exceto o do comércio de retalho, que se manteve estável.Entre as maiores economias da zona euro, o indicador recuou em Espanha (-4,1 pontos), na Alemanha (-2,1), e em Itália (-1,7), tendo aumentado em França (1,1) e na Holanda (0,6 pontos).Já no que respeita às maiores economias fora da moeda única, o sentimento económico aumentou na Polónia (0,8 pontos) e na Suécia (2,4), tendo diminuído no Reino Unido (-3,5 pontos).

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

As vendas promocionais nos hipermercados passaram de 39,7% no primeiro semestre de 2015 para 44,8% nos primeiros seis meses deste ano e a tendência é para continuarem a crescer, segundo a diretora-geral da Associação Portuguesa das Empresas de Distribuição.

"A atividade promocional deve continuar a crescer", afirmou Ana Isabel Trigo de Morais durante a apresentação do Barómetro de Vendas APED relativo ao primeiro semestre de 2016.

Segundo a responsável da APED, "o consumidor tornou-se um fã" das promoções, muito assentes nos folhetos e em produtos que fazem parte do chamado "cabaz básico" alimentar, que os hipermercados já não dispensam para atrair os consumidores.

Além de serem uma "evidência da dinâmica concorrencial", as promoções mostram que o fator preço continua a ser decisivo para quem compra.

"Há uma intensificação desse fator", admite a diretora-geral da APED.

Entre janeiro e junho de 2016, as marcas dos fabricantes ganharam quota de mercado passando de 65,3% para 66,7% das vendas, enquanto o peso das marcas da distribuição recuou 1,4 pontos percentuais em relação ao mesmo período do ano passado.

O Barómetro da APED revelou um crescimento de 1,8% nas vendas do retalho no primeiro semestre do ano, com um aumento de 3,5% no volume de vendas do setor alimentar e um decréscimo de 0,7% no não-alimentar.

Lusa

  • Atentados na Catalunha estão relacionados, 14 mortos

    Ataque em Barcelona

    Uma pessoa morreu e cinco suspeitos foram abatidos num segundo ataque esta madrugada em Espanha, depois do atentado de ontem que fez 13 mortos em Barcelona. As operações de busca centram-se num nome: Moussa Oukabir. Siga aqui as últimas informações, ao minuto.

    Em atualização

  • Driss Oukabir: suspeito do atentado ou vítima de roubo de identidade?
    2:40

    Ataque em Barcelona

    Um dos dois suspeitos, do ataque nas Ramblas, detidos pela polícia foi inicialmente identificado como Driss Oukabir, um homem de 28 anos. Mais tarde, um homem com o mesmo nome apresentou-se numa esquadra em Girona, a mais de 100 quilómetros do local do atropelamento afirmando que lhe tinha sido roubada a identificação. De acordo com alguma imprensa espanhola, poderá ter sido o irmão, Moussa Oukabir, um jovem de 18 anos que vive em Barcelona, como explicou também Nuno Rogeiro, comentador da SIC.

  • "Nas Ramblas, é como se nada tivesse acontecido"
    1:35

    Ataque em Barcelona

    Um atentado terrorista em Barcelona matou 13 pessoas e feriu cerca de 100. O ataque aconteceu na zona das Ramblas, quando uma carrinha avançou sobre quem circulava nessa grande via no centro da capital da Catalunha. O repórter Emanuel Nunes está em Barcelona e deu conta do regresso à normalidade nas Ramblas, logo às primeiras horas da manhã.

  • Barcelona abalada pelo terrorismo
    1:03
  • "O abandono provoca incêndios desta dimensão"
    0:55

    País

    O antigo vereador da Câmara de Mação José Silva acredita que a desertificação do interior também é, em parte, responsável pelos incêndios. Segundo José Silva, Mação tem cada vez menos habitantes e é por essa razão que os terrenos são deixados ao abandono.

  • Mação perdeu 80% da área florestal
    3:39
  • Médicos e ministro da Saúde voltam hoje às negociações

    País

    O Ministério da Saúde deverá apresentar uma proposta que poderá ser decisiva para a convocação ou não de uma nova greve. O Sindicato Independente dos Médicos e a Federação Nacional de Médicos tinham anunciado, no dia 11 de agosto, que vão realizar uma greve de dois dias na primeira semana de outubro, se a nova proposta negocial não levar em conta o que reivindicam.