sicnot

Perfil

Economia

Bayer compra Monsanto por 60 mil M€

© Brendan McDermid / Reuters

O grupo químico e farmacêutico alemão Bayer anunciou hoje o acordo para comprar a empresa norte-americana Monsanto, num negócio que envolve cerca de 60 mil milhões de euros.

"A Bayer e a Monsanto assinaram esta quarta-feira um acordo de fusão", ao preço de 128 dólares (114 euros) por ação, em dinheiro, anunciou a Bayer em comunicado.

"A transação associa duas atividades diferentes, mas fortemente complementares", relacionadas com a área agrícola, sementes e pesticidas, acrescenta o comunicado.

A empresa norte-americana Monsanto tinha rejeitado, no passado mês de maio, a oferta apresentada pelo grupo alemão Bayer para a adquirir por 55,2 mil milhões de euros (62 mil milhões de dólares), mas mostrou-se disponível para negociações.

"Acreditamos nas vantagens substanciais de uma estratégia integrada (...) e sempre respeitámos a atividade da Bayer", afirmou na altura o presidente da Monsanto, Hugh Grant, acrescentando que a empresa estava a ser subavaliada na proposta apresentada e que também não oferecia garantias necessárias para o financiamento da operação.

Desconhecem-se os desenvolvimentos das negociações, mas o certo é que a compra foi hoje anunciada, sendo também avançado o valor de aquisição, cerca de 60 mil mihões de euros, superior em quase 5 mil milhões de euros em relaçâo à oferta anterior.

O objetivo da Bayer é criar um gigante mundial de produtos químicos e sementes geneticamente modificadas.

A Monsanto tem sido alvo de várias ações de contestação, especialmente contra os organismos geneticamente modificados, pesticidas e outros produtos químicos, que a empreza produz.

  • Marcelo de volta a casa após diagnóstico de gastroenterite aguda
    3:37
  • "Todas as decisões que tomei foi sempre a pensar no Sporting primeiro"
    2:08
  • Saransk tanto anseia por Ronaldo que até lhe fizeram um vídeo e uma música
    3:07
  • Portugal quer atrair imigrantes
    1:28

    País

    O Governo prepara-se para regularizar a situação de 30 mil imigrantes ilegais que vivem em Portugal. De acordo com a edição deste sábado do semanário Expresso, o Executivo pretende também abrir portas a 75 mil novos imigrantes por ano.