sicnot

Perfil

Economia

Fesap quer aumento de 35 euros no salário mínimo

A Federação dos Sindicatos da Administração Pública (FESAP) reivindica um aumento de 35 euros do salário mínimo, para os 565 euros, e a garantia de que os funcionários públicos não terão quebra de rendimentos no próximo ano, foi divulgado esta quarta-feira.

De acordo com um comunicado da FESAP, que sintetiza as reivindicações da estrutura sindical para 2017, o objetivo é recuperar o poder de compra dos trabalhadores, nomeadamente através do aumento de 35 euros do salário mínimo, mantendo uma diferença mínima de 50 euros entre as primeiras posições remuneratórias.

A federação sindical não apresentou uma percentagem de aumento salarial geral, deixando isso ao critério do Governo, desde que não haja perda de rendimento.

"O que exigimos é que não haja redução de rendimento", disse à agência Lusa o dirigente da FESAP, José Abraão, defendendo que os trabalhadores têm de ser pelo menos compensados pelo aumento da inflação.

Segundo o sindicalista, o descongelamento das carreiras e o consequente avanço na mesmas pode ser uma forma de compensar os funcionários públicos.

A FESAP reivindica ainda a atualização das ajudas de custo e a reposição do valor do trabalho suplementar e rejeita o pagamento dos subsídios de férias e de Natal por duodécimos.

A aplicação do horário de 35 horas a todos os trabalhadores da administração pública, a manutenção da ADSE na esfera pública, o desagravamento da carga fiscal e a despenalização das aposentações antecipadas para os trabalhadores com carreiras contributivas longas são outras das prioridades da federação.

"O que nós queremos é valorizar os trabalhadores e os serviços públicos e queremos ajudar o Governo a cumprir o seu programa", disse José Abraão, referindo-se ao descongelamento das carreiras.

A Fesap defende ainda o afastamento do Regime de Requalificação, "de forma inequívoca e definitiva".

A federação sindical, filiada na UGT vai apresentar a sua proposta reivindicativa ao Governo na próxima semana.

Lusa

  • Deputado do PS abandona partido e pode colocar em causa maioria parlamentar
    2:28

    País

    Domingos Pereira foi eleito pelo círculo de Braga. Agora, vai demitir-se do Partido Socialista e entregar o cartão de militante. Contudo, mantém-se no Parlamento, passando assim a deputado independente na Assembleia da República. Pode estar em causa a maioria parlamentar quando o PCP se abstiver.

    Notícia SIC

  • Pedro Dias recusou mostrar caligrafia
    2:29

    País

    Pedro Dias forneceu esta segunda-feira ADN aos peritos do laboratório da polícia científica. O suspeito dos crimes de Aguiar da Beira também foi intimado a entregar amostras da própria caligrafia, mas recusou fazê-lo.

  • Autoridades italianas prosseguem buscas por desaparecidos em avalancha
    0:54
  • "O México não acredita em muros"
    0:45

    Mundo

    Em resposta a Donald Trump, o Presidente mexicano diz que o país não acredita em muros, mas em pontes. Enrique Peña Nieto diz ainda que o México vai procurar dialogar com os Estados Unidos sem confrontos, mas também sem submissão.

  • Carolina do Mónaco celebra o 60.º aniversário
    2:13

    Mundo

    Carolina do Mónaco celebra esta segunda-feira o 60.º aniversário. Em 60 anos, foi criança mediática, jovem rebelde e, agora, matriarca sem ser rainha. Carolina do Mónaco nunca saiu das revistas, por ser filha de Grace Kelly e Rainier do Mónaco, por ter somado namorados pouco recomendáveis para princesas, por ter perdido o pai dos seus filhos num terrível acidente.

  • Ator morre baleado durante gravações de videoclip na Austrália

    Mundo

    Um ator morreu depois de ter sido baleado durante as gravações de um videoclip da banda Bliss n Eso, na cidade australiana de Brisbane. A vítima foi identificada como Johann Ofner, de 28 anos. O homem chegou a receber a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos.