sicnot

Perfil

Economia

Governo garante não mexer no IVA

O Governo garantiu que não vai mexer no IVA, no âmbito do Orçamento do Estado para 2017, afirmando que haverá uma recomposição do esforço fiscal concretizada com uma redução dos impostos diretos contrabalançada com impostos indiretos.

O ministro das Finanças, Mário Centeno, falava à margem da sua audição regimental no parlamento, reiterando que os objetivos do Governo para o Orçamento do Estado para 2017 "é a recuperação dos rendimentos das famílias conseguida com a redução da carga fiscal".

Questionado sobre as dúvidas existentes em torno de eventuais aumentos nos impostos indiretos, Mário Centeno garantiu desde logo: "Há um conjunto de impostos que não são alterados, por exemplo quando falamos no IVA, mas o Governo procurará no contexto de uma recomposição do esforço fiscal a forma de satisfazer este objetivo que está estabelecido no programa de estabilidade".

O governante lembrou o que já estava inscrito no programa de estabilidade e que o Governo tinha identificado um conjunto de medidas de política orçamental para 2017, nomeadamente que existiria "uma recomposição do esforço fiscal", à semelhança do que aconteceu em 2016.

"A recomposição do esforço fiscal será concretizada com uma redução dos impostos diretos, contrabalançada com impostos indiretos. Essa é a estratégia do Governo nessa matéria", reforçou.

Lusa

  • Governo lança linha de crédito de 100 M€ para empresas situadas no interior

    País

    As políticas de valorização do interior, tema escolhido pelo primeiro-ministro, António Costa, abriram o debate quinzenal na Assembleia da República. O primeiro-ministro anunciou que o Governo vai lançar uma linha de crédito de 100 milhões de euros destinada exclusivamente a pequenas e microempresas empresas situadas no interior, a par da reprogramação do Portugal 20/20.

    Direto

  • Cachalote-pigmeu morreu pouco tempo depois de dar à costa em Lisboa
    1:13
  • PSD compara SNS a um "cenário de guerra", Centeno desdramatiza
    2:44

    Economia

    O ministro das Finanças esteve esta amanhã no Parlamento e voltou a não comprometer-se com aumentos salariais na função pública no próximo ano. Deu mesmo a entender que a medida não é prioritária. A discussão passou também pelo Serviço Nacional de Saúde. Centeno desdramatizou as carências mas o PSD comparou o que s passa a um cenário de guerra.