sicnot

Perfil

Economia

Standard and Poor's mantém rating de Portugal na categoria de lixo

A agência de notação financeira Standard & Poor's (S&P) manteve esta sexta-feira o rating atribuído a Portugal em BB+, ou lixo, com perspetiva estável, mostrando-se preocupada com o abrandamento da recuperação económica e dos "desafios prolongados" na banca.

Em comunicado, a S&P manteve a nota de BB+ atribuída a Portugal, que é a primeira do nível de não investimento ou investimento especulativo (o chamado lixo), com perspetiva 'estável', o que significa que o rating deve manter-se na próxima revisão.

"Acreditamos que a recuperação económica de Portugal vai desacelerar em 2016, devido sobretudo a um abrandamento das exportações e do investimento, o que também reflete os desafios prolongados nos bancos portugueses", afirma a agência de rating.

A S&P estima que a economia portuguesa cresça em torno dos 1,2% em 2016, abaixo dos 1,8% previstos pelo Governo, devido à quebra de exportações para fora da União Europeia, às "fragilidades do setor financeiro" e à "incerteza das políticas internas" que "fizeram cair o investimento" desde meados de 2015.

"No entanto, o consumo privado, graças à subida do rendimento disponível, suportou o crescimento económico. Apesar da queda continuada do desemprego e da baixa inflação, o poder de compra das famílias melhorou devido ao aumento do salário mínimo e outras medidas de apoio ao rendimento familiar implementadas pelo Governo no início do ano", afirma a agência.

A S&P estima que o défice orçamental represente 2,8% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2016, excluindo "quaisquer custos adicionais que possam surgir da capitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD).

A previsão fica acima dos 2,2% estimados pelo Governo no Programa de Estabilidade e da meta de 2,5% definida por Bruxelas este verão, depois de encerrado o processo de aplicação de sanções, uma diferença que a agência explica com as projeções de crescimento inferiores.

A consolidação orçamental é um dos aspetos positivos que a S&P tem em consideração para a atribuição da notação, uma vez que a agência norte-americana "acredita que o Governo mantenha o compromisso de evitar quaisquer desvios orçamentais significativos".

Os analistas da S&P admitem que esse compromisso mantém-se devido às condições económicas menos favoráveis do que as assumidas anteriormente, mas também porque algumas medidas como o regresso às 35 horas de trabalho ou o fim dos cortes salariais na Função Pública podem ter impactos superiores do que o orçamentado.

Para 2017, a S&P estima um crescimento económico de 1,2% e um défice orçamental de 2% do PIB, o que "sinaliza um esforço significativo de consolidação orçamental desde o início da década", mas admite que a consolidação seja mais lenta "na ausência de uma estratégia mais firme para reduzir o défice".

"Para alcançar as suas metas orçamentais, o Governo podia incluir medidas como a eliminação de isenções nas contribuições sociais, o aumento do imposto sobre o combustível ou a venda de património imobiliário do Estado", propõe a S&P.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.