sicnot

Perfil

Economia

Standard and Poor's mantém rating de Portugal na categoria de lixo

A agência de notação financeira Standard & Poor's (S&P) manteve esta sexta-feira o rating atribuído a Portugal em BB+, ou lixo, com perspetiva estável, mostrando-se preocupada com o abrandamento da recuperação económica e dos "desafios prolongados" na banca.

Em comunicado, a S&P manteve a nota de BB+ atribuída a Portugal, que é a primeira do nível de não investimento ou investimento especulativo (o chamado lixo), com perspetiva 'estável', o que significa que o rating deve manter-se na próxima revisão.

"Acreditamos que a recuperação económica de Portugal vai desacelerar em 2016, devido sobretudo a um abrandamento das exportações e do investimento, o que também reflete os desafios prolongados nos bancos portugueses", afirma a agência de rating.

A S&P estima que a economia portuguesa cresça em torno dos 1,2% em 2016, abaixo dos 1,8% previstos pelo Governo, devido à quebra de exportações para fora da União Europeia, às "fragilidades do setor financeiro" e à "incerteza das políticas internas" que "fizeram cair o investimento" desde meados de 2015.

"No entanto, o consumo privado, graças à subida do rendimento disponível, suportou o crescimento económico. Apesar da queda continuada do desemprego e da baixa inflação, o poder de compra das famílias melhorou devido ao aumento do salário mínimo e outras medidas de apoio ao rendimento familiar implementadas pelo Governo no início do ano", afirma a agência.

A S&P estima que o défice orçamental represente 2,8% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2016, excluindo "quaisquer custos adicionais que possam surgir da capitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD).

A previsão fica acima dos 2,2% estimados pelo Governo no Programa de Estabilidade e da meta de 2,5% definida por Bruxelas este verão, depois de encerrado o processo de aplicação de sanções, uma diferença que a agência explica com as projeções de crescimento inferiores.

A consolidação orçamental é um dos aspetos positivos que a S&P tem em consideração para a atribuição da notação, uma vez que a agência norte-americana "acredita que o Governo mantenha o compromisso de evitar quaisquer desvios orçamentais significativos".

Os analistas da S&P admitem que esse compromisso mantém-se devido às condições económicas menos favoráveis do que as assumidas anteriormente, mas também porque algumas medidas como o regresso às 35 horas de trabalho ou o fim dos cortes salariais na Função Pública podem ter impactos superiores do que o orçamentado.

Para 2017, a S&P estima um crescimento económico de 1,2% e um défice orçamental de 2% do PIB, o que "sinaliza um esforço significativo de consolidação orçamental desde o início da década", mas admite que a consolidação seja mais lenta "na ausência de uma estratégia mais firme para reduzir o défice".

"Para alcançar as suas metas orçamentais, o Governo podia incluir medidas como a eliminação de isenções nas contribuições sociais, o aumento do imposto sobre o combustível ou a venda de património imobiliário do Estado", propõe a S&P.

Lusa

  • Leão de Ouro de Souto de Moura faz "muito bem à alma" dos portugueses
    1:53
  • "Sonho com um futuro melhor", o desejo de um jovem sírio em Portugal
    2:12

    País

    Mais de 50 jovens sírios chegaram esta madrugada a Lisboa, para iniciarem o novo ano letivo, em Portugal. Sonham com um futuro melhor. Sonham com uma educação melhor. Os 54 estudantes vieram ao abrigo do programa lançado pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, que nos últimos anos já deu uma nova oportunidade a cerca de 200 alunos.

  • Na linha do triunfo
    16:49
  • Chamas do incêndio no Europa Park na Alemanha atingiram os 15 metros de altura
    0:57