sicnot

Perfil

Economia

CGTP acusa Bruxelas de exercer pressão e chantagem sobre Portugal

A CGTP considerou esta terça-feira que o relatório da Comissão Europeia relativo à quarta missão de monitorização pós-programa "reincide" na pressão e chantagem sobre Portugal e criticou as conclusões de Bruxelas sobre os impactos do aumento do salário mínimo.

No relatório publicado na segunda-feira, o aumento do salário mínimo é mais uma vez identificado por Bruxelas como uma medida que "coloca pressão na já comprimida distribuição salarial" e que "reduz a empregabilidade dos trabalhadores com baixas qualificações", o que a CGTP contesta.

"Perante o logro das previsões feitas quanto aos efeitos da subida do salário mínimo nacional em 2016, que ao invés de produzir mais desemprego, foi compatível com a sua redução acompanhada pela criação de mais emprego, a Comissão Europeia volta a apostar no embuste", acusa a central sindical.

Segundo a Inter, "é sintomático que a Comissão Europeia, tão preocupada com o aumento do salário mínimo, seja a mesma que patrocina e promove a política de rapina aos recursos nacionais, cujos resultados estão patentes, entre outros indicadores, no forte impacto negativo nas contas nacionais resultantes da saída de mais de mil milhões de euros para o estrangeiro na forma de dividendos, decorrente do processo de privatizações."

No comunicado, a CGTP salienta que a subida do salário mínimo para os 600 euros, com efeitos a 1 de janeiro de 2017, "é uma exigência económica e social, não só porque pode e deve dinamizar a atualização das restantes grelhas salariais como é indispensável para combater a pobreza que afeta mais de 11% dos trabalhadores no ativo".

No mesmo relatório, a Comissão Europeia repete avisos que tem vindo a deixar a Portugal, nomeadamente que "algumas reformas da administração pública decididas durante o programa de resgate correm o risco de serem revertidas", dando os exemplos do sistema de requalificação dos funcionários públicos e do regresso da lei das 35 horas semanais de trabalho.

Bruxelas alerta também que a sustentabilidade do sistema de pensões de Portugal "ainda não está assegurada", continuando a depender amplamente de transferências orçamentais, e lamenta que a reforma anunciada em 2015 não tenha saído do papel.

Lusa

  • Governo desvaloriza alerta de Bruxelas quanto ao cumprimento de metas
    2:38

    Economia

    O Governo desdramatiza os avisos da Comissão Europeia que ontem alertou para o possível incumprimento das metas e para o impacto da recapitalização da Caixa Geral de Depósito nas contas públicas. O secretário de Estado do Tesouro considera que são preocupações naturais e admite que há riscos. Sobre o banco do Estado, Mourinho Félix entende que a operação não deve ser contabilizada no défice.

  • Incêndio em Lisboa faz um ferido
    4:13

    País

    Um incêndio de grandes dimensões deflagrou esta segunda-feira numa loja, na Avenida de Berlim, em Lisboa. O repórter André Palma esteve no local, onde ouviu o comandante dos Sapadores Bombeiros de Lisboa. Pedro Patricio confirmou que foi assistida uma pessoa por inalação de fumos e, por questões de segurança, os veículos estacionados perto do local foram retirados, assim como foi pedido às pessoas dos prédios à volta que saíssem por causa do fumo. O incêndio foi dominado.

  • "Rui Rio avisou que vinha para partir loiça dentro do PSD"
    3:00
  • Hugo Soares não deverá continuar como líder parlamentar do PSD
    3:17

    País

    Rui Rio não deverá manter Hugo Soares na liderança parlamentar do PSD. Fonte próxima do novo presidente social-democrata diz à SIC que dificilmente o líder da bancada poderá continuar no cargo. Aumenta a pressão para que Hugo Soares ponha o lugar à disposição e já começam a surgir nomes para o substituir.

  • Suspeita de militantes fantasma no PSD
    4:22

    País

    Perante a suspeita de militantes fantasma e de caciquismo, Salvador Malheiro, diretor de campanha de Rui Rio, diz que o ato eleitoral foi devidamente fiscalizado. Uma investigação do jornal Expresso encontrou oito filiados numa morada que não existe e 17 militantes com morada numa casa onde vivem nove pessoas e nenhuma é do PSD. A associação cívica Transparência e Integridade fala num vazio legal e em falta de regulamentação.

  • Cristiano Ronaldo está insatisfeito com o salário e pode sair do Real Madrid
    2:38