sicnot

Perfil

Economia

Reserva Federal diz que banco central dos EUA optou por esperar por mais dados

A presidente da Reserva Federal (Fed), Janet Yellen, afirmou esta quarta-feira que o banco central norte-americano optou "por esperar para ter mais dados" antes de subir as taxas de juro.

"Optámos por esperar para ter mais dados para continuar" o ajustamento monetário, disse Yellen em conferência de imprensa, depois de ter sido anunciada a decisão da Fed de deixar as taxas de juro entre 0,25% e 0,50%, um nível que se mantém desde dezembro, quando teve lugar a primeira subida em quase dez anos.

Para a presidente da Fed, se as atuais condições se mantiverem, é possível que haja um novo ajustamento monetário "antes do final do ano".

A decisão da Fed contou com sete votos a favor e três contra, que foram de Esther George (Kansas City), Loretta Mester (Cleveland) e Eric Rosengren (Boston), o que mostra as divisões internas no banco central sobre o momento apropriado para uma subida das taxas de juro nos Estados Unidos.

Sobre esta divisão, Yellen considerou que é positivo que "existam diversas opiniões" no seio da instituição.

Depois de críticas do candidato presidencial republicano Donald Trump, que acusou o banco central de adiar a subida das taxas de juro para depois das presidenciais de 8 de novembro, Yellen refutou as acusações.

"Não discutimos política nas nossas reuniões e não temos em conta a política na hora de tomar decisões", sublinhou.

Após a reunião de hoje, a Fed também divulgou novas previsões económicas.

Há três meses, as previsões do banco central norte-americano apontavam para um crescimento de 2% em 2016 e em 2017, mas para este ano a Fed passou agora a previsão para 1,8%, mantendo a de 2017.

O banco central norte-americano também se mostrou ligeiramente mais pessimista quanto ao emprego e previu que a taxa de desemprego nos Estados Unidos fique em 4,8% este ano, quando em junho previra 4,7%.

Atualmente a taxa de desemprego nos Estados Unidos está em 4,9%.

A Fed continua a prever que o desemprego desça para 4,6% no próximo ano.

As próximas reuniões de política monetária da Fed estão previstas para o início de novembro e para meados de dezembro.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.