sicnot

Perfil

Economia

Reserva Federal diz que banco central dos EUA optou por esperar por mais dados

A presidente da Reserva Federal (Fed), Janet Yellen, afirmou esta quarta-feira que o banco central norte-americano optou "por esperar para ter mais dados" antes de subir as taxas de juro.

"Optámos por esperar para ter mais dados para continuar" o ajustamento monetário, disse Yellen em conferência de imprensa, depois de ter sido anunciada a decisão da Fed de deixar as taxas de juro entre 0,25% e 0,50%, um nível que se mantém desde dezembro, quando teve lugar a primeira subida em quase dez anos.

Para a presidente da Fed, se as atuais condições se mantiverem, é possível que haja um novo ajustamento monetário "antes do final do ano".

A decisão da Fed contou com sete votos a favor e três contra, que foram de Esther George (Kansas City), Loretta Mester (Cleveland) e Eric Rosengren (Boston), o que mostra as divisões internas no banco central sobre o momento apropriado para uma subida das taxas de juro nos Estados Unidos.

Sobre esta divisão, Yellen considerou que é positivo que "existam diversas opiniões" no seio da instituição.

Depois de críticas do candidato presidencial republicano Donald Trump, que acusou o banco central de adiar a subida das taxas de juro para depois das presidenciais de 8 de novembro, Yellen refutou as acusações.

"Não discutimos política nas nossas reuniões e não temos em conta a política na hora de tomar decisões", sublinhou.

Após a reunião de hoje, a Fed também divulgou novas previsões económicas.

Há três meses, as previsões do banco central norte-americano apontavam para um crescimento de 2% em 2016 e em 2017, mas para este ano a Fed passou agora a previsão para 1,8%, mantendo a de 2017.

O banco central norte-americano também se mostrou ligeiramente mais pessimista quanto ao emprego e previu que a taxa de desemprego nos Estados Unidos fique em 4,8% este ano, quando em junho previra 4,7%.

Atualmente a taxa de desemprego nos Estados Unidos está em 4,9%.

A Fed continua a prever que o desemprego desça para 4,6% no próximo ano.

As próximas reuniões de política monetária da Fed estão previstas para o início de novembro e para meados de dezembro.

Lusa

  • Prisão preventiva para marroquino suspeito de apoiar o Daesh

    País

    O juiz do Tribunal Central de Instrução Criminal impôs esta quinta-feira prisão preventiva ao cidadão marroquino, detido na Alemanha e entregue a Portugal, suspeito de adesão e apoio ao grupo extremista Daesh e recrutamento e financiamento ao terrorismo.

  • O momento em que Trump quis ser um camionista

    Mundo

    O Presidente norte-americano Donald Trump reuniu-se esta quinta-feira com representantes da indústria de camionagem. Não é apenas do encontro que lhe falamos, mas principalmente da invulgar receção feita por Trump, que entrou para um camião, fingiu que o conduzia e buzinou... em pleno jardim da Casa Branca.

  • FBI investiga possível campanha de espiões russos contra Hillary
    0:57

    Mundo

    A suspeita de ligação entre a equipa de Donald Trump e operacionais russos está a aumentar. A CNN diz que a equipa do Presidente do Estados Unidos da América se coordenou com os russos para atingir Hillary Clinton. O FBI está a investigar registos telefónicos, de viagens, relatórios e transações para offshores.

  • Mais de 20 milhões estão a morrer à fome em África

    Mundo

    África enfrenta a maior crise desde 1945, com mais de 20 milhões de pessoas a morrer de fome em três países, Sudão do Sul, Somália e Nigéria, disse esta quinta-feira um responsável do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas.

  • Jovem violada em direto no Facebook não se sente em segurança

    Mundo

    A jovem de 15 anos que foi abusada sexualmente por cinco ou seis homens durante um vídeo em direto para o Facebook está a receber tratamento. A mãe da jovem deu uma entrevista, na qual disse que a filha já não se sente em segurança na sua vizinhança, depois de receber ameaças na internet.

  • Menina "rouba" chapéu ao Papa
    0:27

    Mundo

    Estella Westrick tem apenas três anos, mas já conseguiu chegar aos jornais de todo o mundo, depois de "roubar" o chapéu do Papa. Durante uma visita da família na quarta-feira ao Vaticano, a criança - que não parece estar muito contente no vídeo - foi pegada ao colo por um dos funcionários do Vaticano, que a levou depois até ao Papa para receber dois beijos. Nesta altura, Estella aproveitou para tirar o solidéu episcopal, arrancando gargalhadas de toda a gente, especialmente do Papa Francisco.