sicnot

Perfil

Economia

Draghi diz que excesso de bancos prejudica a sua rentabilidade

O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, disse esta quinta-feira que há demasiados bancos na Europa, sendo esse um motivo, entre outros, para que a sua rentabilidade seja atualmente tão baixa.

No discurso de abertura da primeira conferência anual do Conselho Europeu de Risco Sistémico, Draghi reconheceu que as baixas taxas de juro também pressionam a rentabilidade dos bancos.

As taxas de juro reais a longo prazo caíram na maioria das economias desenvolvidas durante duas décadas, disse Draghi.

O presidente do BCE admitiu que a política monetária do BCE e a de outros bancos centrais, que atuam em concordância com os seus mandatos para salvaguardar a estabilidade de preços, também contribuíram, entre outros fatores, para os juros baixos.

O excesso de bancos é outra "causa do atual baixo nível de rentabilidade dos bancos", segundo Draghi.

Na próxima semana, Draghi vai ao parlamento alemão, no meio de vivas críticas do país à política monetária do BCE, considerada prejudicial para os que têm poupanças e para os bancos.

Segundo um comunicado do Bundestag, Draghi vai reunir-se na quarta-feira com o presidente da câmara baixa, Norbert Lammert, e com membros da comissão de Orçamento e Finanças para "uma troca de ideias".

O presidente do BCE já esteve no parlamento alemão em 2012 para explicar aos deputados o lançamento de um programa de compra de dívida destinado a ajudar países em crise.

Desde então, o BCE foi ainda mais longe na flexibilização da sua política monetária e reduziu as taxas de juro para níveis historicamente baixos.

Para impulsionar a inflação, o BCE lançou ainda um programa alargado de compra de ativos e de empréstimos a longo prazo com juros muito baixos.

Lusa

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06