sicnot

Perfil

Economia

Jerónimo e Costa lamentam pobreza deixada por PSD/CDS

M\303\201RIO CRUZ

O líder comunista e o primeiro-ministro concordaram esta quinta-feira, no debate parlamentar quinzenal, com o aumento da pobreza deixado pelo anterior executivo PSD/CDS-PP, defendendo a necessidade de investimento para maior produção e recuperação de direitos e rendimentos do trabalho.

"Há por aí quem venha com o velho embuste de que queremos acabar com os ricos e não com os pobres. São os mesmos que colocaram milhares de portugueses na pobreza e nunca tiveram esse rebate de consciência", condenou Jerónimo de Sousa, dirigindo-se aos líderes centrista e social-democrata, respetivamente Assunção Cristas e Passos Coelho.

O secretário-geral do PCP disse que "têm de ser encontradas medidas concretas" como o "aumento extraordinário das reformas e pensões" (não inferior a 10 euros), a "valorização do trabalho e remunerações" (salário mínimo nacional de 600 euros em 2017) ou "acabar com a injusta medida congelamento das carreiras da função pública", entre outras relacionadas com a melhoria dos serviços públicos, designadamente na saúde e na educação.

"Foram os mais pobres, os que menos tinham, os trabalhadores, reformados e suas famílias e não os mais ricos, os mais atingidos, os que pagaram a fatura maior, os 10% mais pobres perderam 25% do seu rendimento e os 10% mais ricos apenas metade", continuou o líder comunista, citando um estudo recente da Fundação Francisco Manuel dos Santos, também considerado "impressionante" por António Costa.

Segundo Jerónimo de Sousa, "não foi austeridade, foi uma política de exploração e empobrecimento, uma realidade que tantas vezes PSD e CDS negaram, procurando desmentir, através daquele embuste da equidade das suas medidas".

"É preciso agir para inverter esta situação e fazer justiça, nomeadamente as medidas que permitiram acelerar a reposição de direitos e rendimentos usurpados", apelou o secretário-geral do PCP ao líder do executivo socialista.

António Costa afirmou que Portugal tem de "prosseguir a política de reposição de rendimento e não é só uma questão de contribuir para aumentar a procura interna", pois "tem a ver com a dignidade das pessoas" - "antes da economia estão mesmo as pessoas".

"Essa conversa de que queremos acabar com os ricos é só para encobrir uma outra realidade. A estratégia prosseguida pelo anterior Governo PSD/CDS foi de aumentar os pobres para ver se aumentavam os ricos. Não acreditamos que seja necessário. A riqueza não nasce da pobreza, nasce do trabalho, investimento, modernização, inovação e é assim que construímos um país coletivamente mais rico e que possa partilhar essa prosperidade de forma mais justa", continuou Costa.

O primeiro-ministro defendeu que o "desenvolvimento, competitividade, produtividade das nossas empresas não assenta nesse modelo de baixos salários, destruição de direitos e aniquilação do estado social".

"É preciso investir nas qualificações, na inovação, modernização e capitalização das próprias empresas - é também essencial aumentar a coesão e erradicar a pobreza", algo que considerou fazer-se através dos "salários, apoios sociais e pensões", sendo necessário "encontrar na margem estreita" que existe "o espaço necessário para fazer o que é necessário".

António Costa criticou ainda a "chorosa" líder do CDS-PP, Assunção Cristas, que tinha falado sobre alegados abusos do fisco no combate à fraude e evasão, perguntando-se onde estaria a sua adversária política "quando, por um ministro do CDS (Mota Soares), a vida dos mais pobres foi de tal forma vasculhada para lhes retirar Complemento Solidário para Idosos, Rendimento Solidário de Inserção ou abonos de família".

Lusa

  • Proteção Civil desmobiliza meios em Setúbal

    País

    A Proteção Civil vai começar a desmobilizar, hoje à tarde, meios de combate ao incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal e que já está em fase de rescaldo, disse à agência Lusa o vereador da Proteção Civil Municipal.

  • Marcelo lembra ditadura para deixar elogios à liberdade de imprensa e separação de poderes
    0:29
  • Portugal condenado por decisão "discriminatória e preconceituosa"
    1:19

    País

    Portugal voltou a ser condenado pelo Tribunal Europeu dos Direitos do Homem, desta vez por causa de uma decisão discriminatória e preconceituosa. Trata-se do caso da mulher a quem o Supremo Tribunal Administrativo baixou o valor de uma indemnização por negligência médica. Entre os vários argumentos usados, os juízes portugueses consideraram que a sexualidade é menos importante quando se tem 50 anos e dois filhos.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26

    País

    O candidato do PSD à Câmara Municipal de Loures, André Ventura, foi entrevistado esta terça-feira na Edição da Noite da SIC Notícias. Em análise, a polémica em torno das declarações do candidato sobre a comunidade cigana.

    Entrevista SIC Notícias

  • Rajoy nega conhecimento de financiamentos ilegais no PP

    Mundo

    O primeiro-ministro espanhol negou hoje ter conhecimento de um esquema ilegal de financiamento, que envolve vários responsáveis do Partido Popular (PP, direita), que lidera. Durante uma audição no tribunal, Mariano Rajoy garantiu ainda que não aceitou nenhum pagamento ilícito.