sicnot

Perfil

Economia

Jerónimo e Costa lamentam pobreza deixada por PSD/CDS

M\303\201RIO CRUZ

O líder comunista e o primeiro-ministro concordaram esta quinta-feira, no debate parlamentar quinzenal, com o aumento da pobreza deixado pelo anterior executivo PSD/CDS-PP, defendendo a necessidade de investimento para maior produção e recuperação de direitos e rendimentos do trabalho.

"Há por aí quem venha com o velho embuste de que queremos acabar com os ricos e não com os pobres. São os mesmos que colocaram milhares de portugueses na pobreza e nunca tiveram esse rebate de consciência", condenou Jerónimo de Sousa, dirigindo-se aos líderes centrista e social-democrata, respetivamente Assunção Cristas e Passos Coelho.

O secretário-geral do PCP disse que "têm de ser encontradas medidas concretas" como o "aumento extraordinário das reformas e pensões" (não inferior a 10 euros), a "valorização do trabalho e remunerações" (salário mínimo nacional de 600 euros em 2017) ou "acabar com a injusta medida congelamento das carreiras da função pública", entre outras relacionadas com a melhoria dos serviços públicos, designadamente na saúde e na educação.

"Foram os mais pobres, os que menos tinham, os trabalhadores, reformados e suas famílias e não os mais ricos, os mais atingidos, os que pagaram a fatura maior, os 10% mais pobres perderam 25% do seu rendimento e os 10% mais ricos apenas metade", continuou o líder comunista, citando um estudo recente da Fundação Francisco Manuel dos Santos, também considerado "impressionante" por António Costa.

Segundo Jerónimo de Sousa, "não foi austeridade, foi uma política de exploração e empobrecimento, uma realidade que tantas vezes PSD e CDS negaram, procurando desmentir, através daquele embuste da equidade das suas medidas".

"É preciso agir para inverter esta situação e fazer justiça, nomeadamente as medidas que permitiram acelerar a reposição de direitos e rendimentos usurpados", apelou o secretário-geral do PCP ao líder do executivo socialista.

António Costa afirmou que Portugal tem de "prosseguir a política de reposição de rendimento e não é só uma questão de contribuir para aumentar a procura interna", pois "tem a ver com a dignidade das pessoas" - "antes da economia estão mesmo as pessoas".

"Essa conversa de que queremos acabar com os ricos é só para encobrir uma outra realidade. A estratégia prosseguida pelo anterior Governo PSD/CDS foi de aumentar os pobres para ver se aumentavam os ricos. Não acreditamos que seja necessário. A riqueza não nasce da pobreza, nasce do trabalho, investimento, modernização, inovação e é assim que construímos um país coletivamente mais rico e que possa partilhar essa prosperidade de forma mais justa", continuou Costa.

O primeiro-ministro defendeu que o "desenvolvimento, competitividade, produtividade das nossas empresas não assenta nesse modelo de baixos salários, destruição de direitos e aniquilação do estado social".

"É preciso investir nas qualificações, na inovação, modernização e capitalização das próprias empresas - é também essencial aumentar a coesão e erradicar a pobreza", algo que considerou fazer-se através dos "salários, apoios sociais e pensões", sendo necessário "encontrar na margem estreita" que existe "o espaço necessário para fazer o que é necessário".

António Costa criticou ainda a "chorosa" líder do CDS-PP, Assunção Cristas, que tinha falado sobre alegados abusos do fisco no combate à fraude e evasão, perguntando-se onde estaria a sua adversária política "quando, por um ministro do CDS (Mota Soares), a vida dos mais pobres foi de tal forma vasculhada para lhes retirar Complemento Solidário para Idosos, Rendimento Solidário de Inserção ou abonos de família".

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.