sicnot

Perfil

Economia

Homem mais rico da China diz que imobiliário do país é a "maior bolha da História"

© Reuters

Wang Jianlin, o homem mais rico da China, disse na quarta-feira que o mercado imobiliário chinês é a "maior bolha da História", numa altura em que os preços das habitações continuam a disparar nas principais cidades do país.

Em entrevista à estação televisiva CNN, Wang lembrou que os preços do imobiliário continuam a subir nas grandes cidades chinesas, mas que estão em queda nas restantes, onde várias habitações continuam por vender.

"Eu não vejo uma solução viável para este problema", afirmou o fundador do grupo Wanda, que começou por se impor no setor imobiliário, mas que nos últimos anos passou a investir também no cinema e no turismo.

"O Governo adotou todo o tipo de medidas, mas nenhuma funcionou", disse.

O imobiliário é um setor chave para a economia chinesa, a segunda maior do mundo e o principal motor da recuperação global, mas que no último ano cresceu ao ritmo mais lento do último quarto de século.

Segundo um relatório difundido este mês pelo Bank for International Settlements (BIS), entre janeiro e março, o desvio do rácio entre o crédito e o Produto Interno Bruto (PIB) do país atingiu 30,1%, o nível mais alto de sempre e bem acima dos 10%, o patamar que "acarreta riscos para o sistema bancário".

O BIS alertou para os riscos iminentes no sistema bancário chinês, nos próximos três anos.

A dívida da China tem aumentado à medida que Pequim tornou o crédito mais barato e acessível, num esforço para incentivar o crescimento económico.

Analistas chineses e estrangeiros alertam, no entanto, que o rápido aumento da dívida e do crédito mal parado poderá resultar numa crise financeira.

Wang disse não estar preocupado com um súbito abrandamento da economia chinesa, afirmando que "o problema é que a atividade económica ainda não recuperou".

"Se retirarmos os estímulos muito rápido, a economia deverá ressentir-se. Por isso, temos de esperar até que a atividade económica recupere. Só então podemos reduzir os estímulos e a dívida", disse.

O grupo Wanda está a negociar a compra da produtora Dick Clark Productions, a empresa que organiza os Globos de Ouro nos EUA, segundo um comunicado difundido pela empresa esta semana.

O Wanda detém já a empresa norte-americana AMC Entertainment, proprietária da segunda maior cadeia de cinemas dos Estados Unidos.

No início do ano, anunciou a compra da Legendary Entertainment, produtora de filmes como "Jurassic World" e "Godzilla", por 3.500 milhões de dólares (3.240 milhões de euros).

Lusa

  • As zonas de guerra que o fogo deixou
    3:13

    País

    A chuva finalmente ajudou na luta contra as chamas e o que fica agora é um cenário de devastação no norte e centro do país. Morreram 37 pessoas, arderam centenas de casas e empresas e há críticas severas à falta de meios.

  • Visto do céu, Portugal é um país que se vestiu de negro
    3:28
  • Portugueses usam Facebook para marcar protestos contra incêndios

    País

    Os incêndios que têm acontecido este ano estão a causar revolta entre a população. Por essa razão, estão marcadas, através da rede social Facebook, várias manifestações para os próximos dias um pouco por todo o país. Os portugueses exigem a melhoria do sistema, para que as tragédias deste ano não se voltem a repetir.

  • "Estou a ficar sem água, vai ser um trabalho inglório"
    1:06
  • "Quem está no Governo tem sérias responsabilidades"
    1:07

    Opinião

    Pacheco Pereira aponta falhas do Estado, dos bombeiros e da Proteção Civil como causa dos incêndios que assolaram o país no passado domingo. O comentador da SIC considera que o Governo tem responsabilidade perante o que aconteceu.

  • Presidente das Indústrias de Madeira diz que fogos estão a afetar o setor
    0:39

    País

    A Associação das Indústrias de Madeira e Mobiliário desvaloriza que os industriais do setor possam comprar madeira mais barata, em resultado dos incêndios florestais. Em entrevista na SIC Notícias, o presidente da associação, Vítor Poças, considera que os fogos estão a prejudicar gravemente a indústria.