sicnot

Perfil

Economia

Banco de Portugal obriga bancos a reportar em 2017 operações em offshore

Os bancos vão ser obrigados, no próximo ano, a reportar operações em offshore a partir de 15 mil euros, segundo um aviso do Banco de Portugal publicado esta sexta-feira e que entra em vigor a 1 de dezembro.

"Devem as instituições sujeitas à supervisão do Banco de Portugal (...) proceder ao registo das operações correspondentes a serviços de pagamento prestados por todas as entidades incluídas no perímetro de supervisão prudencial que tenham como beneficiária pessoa singular ou coletiva sediada em qualquer ordenamento jurídico offshore e comunicá-las ao Banco de Portugal", lê-se no aviso publicado esta sexta-feira em Diário da República.

Também as entidades não sujeitas à supervisão do Banco de Portugal, com base na sua situação financeira consolidada, passam a ter de assegurar o registo e comunicação dos serviços de pagamento que prestem e que tenham como beneficiária pessoa singular ou coletiva sediada em ordenamento jurídico offshore.

As informações a comunicar ao Banco de Portugal referem-se a operações com um valor unitário igual ou superior a 15.000 euros, ou que integrem um conjunto de operações de valor agregado igual ou superior a 15.000 euros que aparentem estar relacionadas entre si.

A necessidade de reporte aplica-se, segundo o aviso, "a qualquer operação realizada, pelo menos parcialmente, por meios eletrónicos", por conta de um ordenante através de uma entidade operadora, com vista a colocar os fundos à disposição de um beneficiário através da mesma ou de outra entidade operadora.

O diploma atribui ao Banco de Portugal a tarefa de emitir, e atualizar, uma listagem de ordenamentos jurídicos offshore relevantes, com base em informação regularmente enviada pelos bancos e outras instituições de pagamento ou sociedades financeiras.

"As entidades reportantes, com base na sua realidade operativa específica, remeterão ao Banco de Portugal a identificação dos territórios, incluindo eventualmente partes do território nacional, que se tenham caracterizado por atrair um volume significativo de atividade com não residentes, em virtude, designadamente, da existência de regimes menos exigentes de obtenção de autorização para o exercício da atividade bancária e de supervisão, de um regime especial de sigilo bancário, de vantagens fiscais, de legislação diferenciada para residentes e não residentes ou de facilidades de criação de veículos de finalidade especial", lê-se no aviso.

Esta informação terá de ser remetida ao Banco de Portugal até 31 de outubro de cada ano, reportando-se às operações entre 1 de outubro do ano anterior ao envio e 30 de setembro do ano de envio.

Mas as informações a reportar ao Banco de Portugal sobre pagamentos em offshore passam obrigatoriamente a ser feitas "até ao final do mês seguinte a cada trimestre do ano civil, reportando-se a todas as operações" realizadas ao longo daquele trimestre.

"O primeiro envio de informação ao Banco de Portugal (...) deve ter lugar até ao dia 31 de janeiro de 2017", através do sistema BPnet, determina o aviso, esclarecendo que até à emissão da listagem de ordenamentos offshore se consideram abrangidos os territórios identificados em 2010 por carta circular publicada.

Entre os elementos da operação a comunicar ao Banco de Portugal estão o tipo de serviço de pagamento, a data de execução, o valor em euros e a divisa ad operação, além de toda a identificação (nome, data de nascimento, nacionalidade, morada, naturalidade) do ordenante da operação.

Lusa

  • Vídeo 360º: nos céus de Lisboa como nunca esteve

    País

    Três Alpha Jet da Força Aérea Portuguesa estiveram presentes sobre o Jamor, durante a final da Taça entre o Benfica e o Vitória de Guimarães. A SIC e o Expresso acompanharam a passagem das aeronaves através da colocação de câmaras 360º no cockpit de duas delas.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • Gelado de champanhe no centro de mais uma polémica que envolve Ivanka Trump 

    Mundo

    A filha do Presidente Donald Trump está envolvida em mais uma polémica depois de uma publicação da sua marca no Twitter durante o Memorial Day, assinalado esta segunda-feira. Feriado nacional nos Estados Unidos, criado após a Guerra Civil, a data presta homenagem aos militares americanos que morreram em combate. Um dia solene, no qual muitos acolheram mal a dica da marca da atual conselheira da Casa Branca: "Façam gelados de champanhe".

  • Morreu Yoshe Oka, a "hibakusha" que avisou o Japão sobre o ataque a Hiroshima

    Mundo

    Yoshe Oka, a primeira sobrevivente de Hiroshima que informou por telefone as autoridades japonesas sobre a destruição da cidade, em 1945, morreu com 86 anos, vítima de cancro, revelou hoje a família. A "hibakusha", nome pelo qual são conhecidos os sobreviventes dos ataques a Hiroshima e Nagasaki, sofria de doenças relacionadas com os efeitos do bombardeamento. Apesar das consequências do ataque, Oka difundiu, ao longo da vida, a experiência sobre o bombardeamento tendo participado em inúmeros atos pacifistas.