sicnot

Perfil

Economia

Valor da pensão mínima de velhice com mais 3€ do que há 40 anos

A pensão mínima de velhice é hoje de apenas mais três euros do que há 40 anos, descontando a inflação, sendo Portugal o terceiro país da União Europeia com mais idosos a viverem sozinhos.

Os números traçam um retrato da população mais velha em Portugal, feito pelo portal estatístico Pordata, da Fundação Francisco Manuel dos Santos, a propósito do Dia Internacional do Idoso, que hoje se assinala.

Dizem por exemplo que a atual pensão mínima de velhice e invalidez, de 262 euros, é muito superior aos 08 euros de 1974, mas que descontando a inflação os idosos do regime geral da segurança social recebem hoje apenas mais 03 euros do que há 40 anos. A preços constantes tendo como base 2011 ganhavam 251 euros em 1974, ganhavam 253,7 euros em 2015.

Pegue-se agora no total de pessoas que vivem sozinhas e olhe-se para a idade: 53% têm 65 ou mais anos. Na União Europeia só a Croácia e Malta têm mais idosos a viver sozinhos do que Portugal. A média europeia é de 40% e do outro lado da tabela está a Suécia, onde só são idosos 14 por cento de todos os agregados domésticos unipessoais.

A isto some-se a taxa de emprego, que vai baixando à medida que as pessoas vão ficando mais velhas. Em 2015 era de 80% entre os 25 e os 44 anos, descia para 76% entre os 45 e os 54, e descia para 50% entre os 55 e os 64 anos.

E ao retrato junta-se a escolaridade. Os números dizem que entre as pessoas com 65 ou mais anos mais de uma em cada quatro não completou qualquer nível de escolaridade, uma situação que ainda assim melhorou substancialmente nos últimos 10 anos.

Com tudo junto chega-se aos números sobre a pobreza. Dizem eles que 90% das pessoas com 65 ou mais anos seriam pobres sem as transferências sociais. Ainda assim, após essas transferências a taxa de risco de pobreza para idosos é de 17%.

Portugal é o oitavo país da União Europeia com mais pessoas idosas em situação de carência económica ou de bens duradouros. São 10 por cento dos mais velhos na lista dos 28, encabeçada pela Bulgária, com 40 por cento de idosos em situação de privação severa.

A média da União Europeia está nos 6,2% e o país com menos idosos nestas condições é o Luxemburgo, com apenas 0,1% que não podem, por exemplo, fazer face a uma despesa extra, ter televisão a cores ou telefone, poder comer carne e peixe duas vezes por semana ou pagar as contas mensais, entre outros itens para definir a taxa de privação material severa.

E a este quadro junta-se o acentuado envelhecimento da população. Há 30 anos os pensionistas e reformados eram uma em cada quatro pessoas ativas e hoje são praticamente uma em cada duas pessoas ativas.

Hoje, aos 65 anos, as mulheres podem esperar viver, em média, mais 21 anos e os homens mais 17 anos.

O Dia Internacional do Idoso foi instituído pela ONU em 1991 para sensibilizar o mundo para as questões relacionadas com o envelhecimento e a proteção dos mais velhos.

Lusa

  • "Tudo o que se está a passar no Sporting tem um único responsável: Bruno de Carvalho"
    7:08
  • É desta que provam a existência do monstro de Loch Ness?

    Mundo

    Para muitos, o monstro de Loch Ness não passa de uma lenda. A verdade é que a existência ou não desta criatura mística continua a suscitar debates entre aqueles que acreditam e os cépticos. Uma equipa internacional de investigadores quer responder finalmente à questão através da recolha de ADN ambiental do Loch Ness, na Escócia.

    SIC

  • Parabéns! Portugal faz hoje 839 anos

    País

    É dia de cantar os parabéns. Portugal celebra esta quarta-feira 839 anos, depois de a 23 de maio de 1179 o Papa Alexandre III ter emitido a bula "Manifestis Probatum" onde reconhece o território como reino independente.

    SIC

  • Cachalote-pigmeu morreu pouco tempo depois de dar à costa em Lisboa
    1:13
  • Presidente da República apoia reforma "quanto antes" do Tribunal de Contas
    1:13

    País

    O Presidente da República defendeu esta manhã uma reforma do Tribunal de Contas para que se adeque a lei que prevê o controlo das entidades públicas. Para Marcelo Rebelo de Sousa, se a lei der melhores meios de controlo e for de mais rápida aplicação, vai dissuadir casos de má gestão de dinheiros públicos que acabam por resultar em crimes.

  • PSD compara SNS a um "cenário de guerra", Centeno desdramatiza
    2:44

    Economia

    O ministro das Finanças esteve esta amanhã no Parlamento e voltou a não comprometer-se com aumentos salariais na função pública no próximo ano. Deu mesmo a entender que a medida não é prioritária. A discussão passou também pelo Serviço Nacional de Saúde. Centeno desdramatizou as carências mas o PSD comparou o que s passa a um cenário de guerra.