sicnot

Perfil

Economia

Dívida privada vale 89 mil milhões de euros no mundo e deve ser reestruturada

O FMI estima que a dívida privada mundial represente 89 mil milhões de euros, defendendo a sua reestruturação, sobretudo na zona euro, através de políticas orçamentais que promovam a reparação dos balanços dos bancos e o crescimento económico.

O Fiscal Monitor divulgado esta quarta-feira apresenta, pela primeira vez, um número para a dimensão da dívida não financeira (inclui a pública, a das famílias e das empresas) do mundo: 152 biliões de dólares, ou 225% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial, dos quais 100 biliões (ou dois terços do total) dizem respeito a dívida privada (compromissos de empresas e das famílias), enquanto os restantes biliões são dívida pública.

"Embora nem todos os países apresentem um mesmo tipo de dívida, a forte dimensão da dívida global aumenta os riscos para a desalavancagem (processo de redução do endividamento), o que pode comprometer o crescimento económico mundial", afirma o Fundo Monetário Internacional (FMI), num artigo que acompanha o Fiscal Monitor.

No caso dos países desenvolvidos, aponta o Fundo, a desalavancagem tem sido desigual: em vários casos a dívida privada continuou a subir e noutros também a pública subiu, devido em parte à assunção dos compromissos do setor privado através de resgates a bancos.

Sobretudo na Europa, esta "desalavancagem incipiente" e a baixas taxas de crescimento económico e de inflação resultaram "num ciclo vicioso que atrasou a resolução dos ativos problemáticos dos bancos, dificultando o fluxo de crédito e pressionando o crescimento económico".

Nesse sentido, a equipa liderada pelo ex-ministro das Finanças Vítor Gaspar, que é agora diretor do departamento de Assuntos Orçamentais do FMI, defende que "a resolução do problema da dívida exige políticas orçamentais que suportem a atividade económica e que criem incentivos para a reestruturação da dívida privada, ao mesmo tempo que facilitam a reparação dos balanços dos bancos".

Estas políticas "são importantes para os países desenvolvidos, sobretudo para a zona euro, onde a lentidão em resolver as contínuas fragilidades da banca está a prejudicar o crescimento económico", defende.

A instituição sediada em Washington defende que são necessárias "intervenções específicas, como programas patrocinados pelo Estado, para reestruturar a dívida privada".

Entre os exemplos estão subsídios a credores para prolongamento das maturidades, garantias ou empréstimos diretos, que podem "acelerar a reestruturação voluntária da dívida privada".

No entanto, este pacote de medidas deve ser acompanhado por "enquadramentos legais fortes", direcionados a insolvências e falências, e guiado por "princípios de governança fortes que limitem abusos e que salvaguardem os fundos públicos".

Por outro lado, escreve o FMI, a "reestruturação do setor financeiro, incluindo injeções de capital publico e a criação de companhias de gestão de ativos, pode ajudar à limpeza dos balanços dos bancos".

A instituição sublinha que é necessário uma "ação decisiva e imediata para reparar os balanços dos bancos - uma clara prioridade em alguns países europeus".

Ainda assim, considera que a política orçamental não pode resolver o problema da dívida sozinha: "Dado a margem limitada, é imperativo explorar complementaridades entre diferentes ferramentas - incluindo monetárias, financeiras e estruturais - para conseguir mais resultados de qualquer intervenção política", aponta.

O FMI lembra ainda que "a crise financeira global mostrou que é muito fácil subestimar os riscos associados ao excesso de dívida privada durante períodos de crescimento económico e perceber os custos de responder muito lentamente a uma crise financeira".

E reforça: "A política orçamental pode fazer mais do que está a fazer atualmente para restaurar o crescimento, facilitar o ajustamento económico necessário após uma crise e construir resiliência para enfrentar turbulências futuras. No entanto, não o pode fazer sozinha, deve ser suportada por políticas complementares com enquadramentos credíveis".

Lusa

  • Presidente do Sporting vai processar um dos sócios do clube
    0:42

    Desporto

    Bruno de Carvalho anunciou esta sexta-feira que vai processar o sócio José Pedro Rodrigues. O presidente do Sporting acusa o sócio de ter posto a circular um documento falso que revelava que Bruno de Carvalho estaria a ser investigado por causa das transferências de Bruno César e Alan Ruiz. O caso fez Bruno de Carvalho tomar uma decisão sobre o futuro.

  • Bruno de Carvalho contra almoço de Dias da Cunha e Menezes Rodrigues com Luís Filipe Vieira
    1:17

    Desporto

    Bruno de Carvalho insurgiu-se, esta sexta-feira, contra Dias da Cunha e Menezes Rodrigues por terem estado, em Setúbal, num almoço com Luís Filipe Vieira. Durante o discurso na Assembleia-geral do clube, o presidente dos leões considerou lamentável a atitude dos dois sportinguistas numa altura em que o Benfica é acusado pelos rivais de poder estar envolvido num alegado esquema de corrupção e tráfico de influências.

  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Atirador canadiano mata combatente do Daesh a 3,5km de distância

    Mundo

    Um atirador das Forças Especiais do Canadá matou um combatente do Daesh com um tiro disparado a 3,5 quilómetros de distância, no passado mês de maio, no Iraque. O Comando de Operações Especiais canadiano garantiu à BBC que a distância do disparo, realizado com sucesso, é já considerada um recorde na história militar.

  • Revelada a verdadeira identidade de Banksy?

    Cultura

    O músico e produtor Goldie pode ter revelado a identidade do artista mais conhecido por Banksy, durante uma entrevista ao podcast do rapper Scroobius Pip. Goldie referiu Robert Del Naja de forma acidental e os fãs acreditam que a identidade do artista britânico foi finalmente desvendada.

  • "Mãe, por favor, para de dizer asneiras. Não quero que leves um tiro"
    0:51

    Mundo

    O Departamento de Investigação da Polícia do Minnesota divulgou esta sexta-feira um vídeo com imagens de um incidente que levou à morte de um afro-americano pela polícia, nos Estados Unidos da América. Em julho de 2016 um polícia atingiu mortalmente Philando Castile, de 32 anos, durante uma operação de controlo rodoviário. O homem procurava os documentos de identificação quando o polícia disparou quatro tiros. Nas imagens é possível ver o desespero da filha da companheira de Philiando Castile, minutos depois de ter visto o padrasto a morrer. O agente responsável pela morte de Castile foi absolvido pelo Tribunal na semana passada.

  • Depois da "provocação", o acidente em cadeia
    0:43

    Mundo

    Um vídeo de um acidente numa autoestrada em Santa Clarita, na Califórnia (EUA), está a tornar-se viral nas redes sociais. Nas imagens é possível ver um motociclista a dar um pontapé num carro que seguia à sua frente. Como forma de "retribuição", o carro vira na direção da mota mas bate no separador e depois numa carrinha que acabou por capotar. Segundo a imprensa norte-americana o condutor da carrinha foi levado para o hospital com ferimentos ligeiros. Já a pessoa que conduzia a mota seguiu o seu caminho. 

  • Johnny Depp pede desculpa por piada a sugerir assassínio de Trump

    Mundo

    Johnny Depp pediu esta sexta-feira desculpa por ter feito uma piada sobre assassinar Donald Trump, durante a sua atuação no Festival de Glastonbury, em Inglaterra. "Quando foi a última vez que um ator assassinou um Presidente?", foi assim que o ator e músico falou para a multidão que o estava a ver. Contudo, as declarações não foram bem recebidas pela Casa Branca, que emitiu um comunicado a condenar as palavras.