sicnot

Perfil

Economia

Dívida privada vale 89 mil milhões de euros no mundo e deve ser reestruturada

O FMI estima que a dívida privada mundial represente 89 mil milhões de euros, defendendo a sua reestruturação, sobretudo na zona euro, através de políticas orçamentais que promovam a reparação dos balanços dos bancos e o crescimento económico.

O Fiscal Monitor divulgado esta quarta-feira apresenta, pela primeira vez, um número para a dimensão da dívida não financeira (inclui a pública, a das famílias e das empresas) do mundo: 152 biliões de dólares, ou 225% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial, dos quais 100 biliões (ou dois terços do total) dizem respeito a dívida privada (compromissos de empresas e das famílias), enquanto os restantes biliões são dívida pública.

"Embora nem todos os países apresentem um mesmo tipo de dívida, a forte dimensão da dívida global aumenta os riscos para a desalavancagem (processo de redução do endividamento), o que pode comprometer o crescimento económico mundial", afirma o Fundo Monetário Internacional (FMI), num artigo que acompanha o Fiscal Monitor.

No caso dos países desenvolvidos, aponta o Fundo, a desalavancagem tem sido desigual: em vários casos a dívida privada continuou a subir e noutros também a pública subiu, devido em parte à assunção dos compromissos do setor privado através de resgates a bancos.

Sobretudo na Europa, esta "desalavancagem incipiente" e a baixas taxas de crescimento económico e de inflação resultaram "num ciclo vicioso que atrasou a resolução dos ativos problemáticos dos bancos, dificultando o fluxo de crédito e pressionando o crescimento económico".

Nesse sentido, a equipa liderada pelo ex-ministro das Finanças Vítor Gaspar, que é agora diretor do departamento de Assuntos Orçamentais do FMI, defende que "a resolução do problema da dívida exige políticas orçamentais que suportem a atividade económica e que criem incentivos para a reestruturação da dívida privada, ao mesmo tempo que facilitam a reparação dos balanços dos bancos".

Estas políticas "são importantes para os países desenvolvidos, sobretudo para a zona euro, onde a lentidão em resolver as contínuas fragilidades da banca está a prejudicar o crescimento económico", defende.

A instituição sediada em Washington defende que são necessárias "intervenções específicas, como programas patrocinados pelo Estado, para reestruturar a dívida privada".

Entre os exemplos estão subsídios a credores para prolongamento das maturidades, garantias ou empréstimos diretos, que podem "acelerar a reestruturação voluntária da dívida privada".

No entanto, este pacote de medidas deve ser acompanhado por "enquadramentos legais fortes", direcionados a insolvências e falências, e guiado por "princípios de governança fortes que limitem abusos e que salvaguardem os fundos públicos".

Por outro lado, escreve o FMI, a "reestruturação do setor financeiro, incluindo injeções de capital publico e a criação de companhias de gestão de ativos, pode ajudar à limpeza dos balanços dos bancos".

A instituição sublinha que é necessário uma "ação decisiva e imediata para reparar os balanços dos bancos - uma clara prioridade em alguns países europeus".

Ainda assim, considera que a política orçamental não pode resolver o problema da dívida sozinha: "Dado a margem limitada, é imperativo explorar complementaridades entre diferentes ferramentas - incluindo monetárias, financeiras e estruturais - para conseguir mais resultados de qualquer intervenção política", aponta.

O FMI lembra ainda que "a crise financeira global mostrou que é muito fácil subestimar os riscos associados ao excesso de dívida privada durante períodos de crescimento económico e perceber os custos de responder muito lentamente a uma crise financeira".

E reforça: "A política orçamental pode fazer mais do que está a fazer atualmente para restaurar o crescimento, facilitar o ajustamento económico necessário após uma crise e construir resiliência para enfrentar turbulências futuras. No entanto, não o pode fazer sozinha, deve ser suportada por políticas complementares com enquadramentos credíveis".

Lusa

  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.