sicnot

Perfil

Economia

Costa defende junção de forças entre Portugal e China para cooperação nos países lusófonos

ESTELA SILVA/LUSA

O primeiro-ministro, António Costa, manifestou-se hoje favorável a uma junção de "forças" entre Portugal e a China para a promoção de uma cooperação triangular com os restantes países lusófonos em áreas como a agricultura, infraestruturas e educação.

António Costa falava na cerimónia de abertura da 5.ª Conferência Ministerial do Fórum Macau para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa, sessão cujo primeiro discurso foi proferido pelo primeiro-ministro chinês, Li Keqiang.

Num discurso com pouco mais de dez minutos, António Costa referiu-se de passagem ao quadro de relações institucionais e empresariais entre Portugal e a China na sequência da sua visita oficial a este país, que se iniciou no sábado passado e que termina na quarta-feira.

"Além da cooperação bilateral entre os dois países, há uma disponibilidade mútua para a cooperação triangular" no espaço lusófono, acentuou.

A seguir, António Costa frisou que Portugal "tem inteira disponibilidade para desenvolver projetos de cooperação triangular com a China em outras regiões onde ambos os países possam beneficiar das sinergias entre diferentes operadores económicos".

O primeiro-ministro especificou então que essa cooperação triangular pode incidir nos campos da agricultura, a educação, a proteção ambiental, as infraestruturas e as energias renováveis.

"Juntando forças, Portugal e a China, à força do Brasil, à força de cada um dos países africanos de língua portuguesa, poderemos todos e cada um fazer mais em conjunto do que qualquer um de nós pode fazer em separado. Pela sua condição de membro da União Europeia, Portugal é uma plataforma de contacto importante entre as diferentes economias representadas neste fórum e a Europa", sustentou o primeiro-ministro.

Na sua intervenção, António Costa voltou a advogar a ideia de Macau como plataforma de ligação entre a China e os países de língua portuguesa.

Neste ponto, o primeiro-ministro salientou a ligação histórica de meio milénio de Portugal a Macau, mas também "a forma ordenada" como decorreu a transição da administração do território para a República Popular da China a 20 de dezembro de 1999.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.