sicnot

Perfil

Economia

Correia de Campos eleito para a presidência do CES

O antigo ministro socialista Correia de Campos foi hoje eleito para o cargo de presidente do Conselho Económico Social (CES), com 146 votos favoráveis entre os 219 deputados votantes, quando precisava de dois terços de aprovações.

Correia de Campos, que falhou uma primeira eleição para o cargo a 20 de julho, conseguiu agora assegurar o número mínimo de votos necessários. Se tivesse obtido 145 votos, ou seja, menos um, teria voltado a não ser eleito.

Segundo fonte parlamentar, na votação para o cargo de presidente do CES, que decorreu durante a manhã na Assembleia da República, registaram-se ainda 54 votos brancos e 19 nulos.

Esta manhã decorreram ainda eleições para o Conselho de Opinião da Rádio e Televisão de Portugal, tendo sido eleitos Pedro Lomba, Ribeiro Cristovão, Jose Luís Mendonça, Vítor Hugo Pinho, Estrela Serrano, José Manuel Guinote, Maria Emília Brederote dos Santos, Diogo Belford, Fernando Correia e Diana Andringa.

Para o Conselho de Opinião da Rádio e Televisão de Portugal votaram 219 deputados, tendo sido registados 193 votos favoráveis, 19 brancos e 7 nulos.

Para a Comissão de Acesso aos Documentos Administrativos foram eleitos Carlos Abreu Amorim e Pedro Delgados Alves, que obtiveram 157 votos favoráveis. Entre os 219 votantes, registaram-se ainda 55 votos brancos e 7 nulos.

Lusa

  • Incêndio de Setúbal "quase dominado"
    4:04

    País

    O incêndio que deflagrou segunda-feira em Setúbal está "quase dominado", segundo informações da presidente da Câmara. Maria das Dores Meira diz que não há feridos a registar e que os habitantes já vão regressando a casa. Para ajudar no combate ao fogo foram enviados meios de Lisboa.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.