sicnot

Perfil

Economia

Restituídos 58.000 euros de cauções de contratos de serviços num ano

(SIC/ Arquivo)

A DECO informou esta quarta-feira que foram devolvidos cerca de 58 mil euros no último ano aos titulares de contratos de serviços públicos, celebrados antes de 1999, que ainda não tinham reclamado o direito à restituição das respetivas cauções.

Em comunicado, a DECO explica que a iniciativa lançada em setembro de 2015, através desta plataforma, reuniu mais de 100 mil consumidores e contribuiu para a devolução de 58 mil euros aos titulares de contratos de serviços públicos essenciais, celebrados antes de 1999, data em que passou a ser proibida a cobrança de cauções.

"Os aderentes à nossa ação conseguiram perceber se tinham direito à devolução do dinheiro das cauções, bem como os procedimentos necessários para o reaverem", adianta a associação de defesa do consumidor.

Citando dados da Direção-Geral do Consumidor (DGC), a DECO refere que, entre 2008 e o surgimento da ação, tinham sido restituídos "apenas cerca de 37 mil euros".

Desde 1999, quando a lei passou a proibir a cobrança de cauções e obrigou as entidades gestoras a devolver as cauções indevidamente cobradas, e até ao início deste ano continuavam por cobrar 18 milhões de euros de cauções, segundo as estimativas da DECO.

Lusa

  • Fogo em Setúbal dominado
    2:31

    País

    O incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal está dominado. As chamas chegaram a ameaçar as casas, o que obrigou à retirada de cerca de 500 pessoas das habitações, como medida de precaução. Também o Hotel do Sado teve de ser evacuado.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.