sicnot

Perfil

Economia

Empresas de transportes vão voltar a poder cobrar multas

As empresas de transportes vão voltar a poder cobrar multas até ao final do primeiro semestre do próximo ano, garantiu ao jornal Público o ministro do Ambiente, João Matos Fernandes.

O ministro disse ao Público que, até ao final do primeiro semestre do próximo ano, passará a ser possível aos infratores pagar diretamente os valores em falta junto das empresas, uma possibilidade que tinha desaparecido com a mudança legislativa feita em janeiro de 2014.

"Há uma alteração que acontecerá certamente no primeiro semestre do próximo ano, permitindo que as empresas passem a poder cobrar as multas daqueles clientes que voluntariamente querem pagar. Essa parte, pelo menos, será já resolvida. Ter-se impedido o pagamento voluntário [com a revisão da lei feita pelo anterior Governo PSD-CDS] foi uma solução sem pés nem cabeça", disse João Matos Fernandes ao Público.

De acordo com o jornal, no final do primeiro semestre o valor por reaver das multas de transportes já ultrapassava os 51 milhões de euros, associados a quase 331 mil autos.

No que diz respeito à resolução do atraso na cobrança, que a Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) deveria ter começado desde há quase três anos, o ministro do Ambiente disse ao jornal que "o modelo que existe não funciona" e que, por isso, "já está criada uma sensação de impunidade que é grave e que temos de combater".

No entanto, escreve o Público, o ministro "não deu ainda garantias sobre a forma como o problema será resolvido, nem sobre prazos".

"A resolução mais profunda ainda não temos, porque também teremos de consensualizá-la com o Ministério do Planeamento e das Infraestruturas, que tutela uma outra empresa pública que tem sido penalizada pelos atrasos na cobrança (a CP)", afirmou.

Um dos pontos em discussão, segundo o jornal, está na escolha da entidade que será mais eficaz nas cobranças.

"Não temos a certeza de que o Instituto da Mobilidade e Transportes [que antes tinha esta responsabilidade] tenha mais capacidade do que a AT para o fazer", disse ainda João Matos Fernandes.

Lusa

  • O fim do julgamento do caso BPN, seis anos depois
    2:26

    País

    O antigo presidente do BPN José Oliveira Costa tentou adiar o fim do julgamento principal do caso com um recurso para o Tribunal Constitucional. Apesar disso, a leitura do acórdão continua marcada para esta quarta-feira, quase seis anos e meio depois de os 15 arguidos se terem sentado pela primeira vez no banco dos réus.

  • José Oliveira Costa, o rosto do buraco financeiro do BPN
    3:04

    País

    José Oliveira Costa foi o homem forte do BPN durante 10 anos e tornou-se o rosto do gigantesco buraco financeiro. Manteve-se em silêncio durante todo o julgamento, mas falou aos deputados da comissão de inquérito, para negar qualquer envolvimento no escândalo que fez ruir o BPN.

  • Saída do Procedimento por Défice Excessivo marca debate no Parlamento
    1:40
  • Filhos tentam anular casamento de pai de 101 anos

    País

    O casamento de um homem de 101 anos com uma mulher com metade da idade, em Bragança, está a ser contestado judicialmente pelos filhos do idoso, que acusam aquela que era empregada da família de querer ser herdeira.