sicnot

Perfil

Economia

Família Violas quer unir-se à Apollo na corrida à compra do Novo Banco

A família Violas Ferreira está a ultimar uma proposta para entrar no capital do Novo Banco, em conjunto com os norte-americanos da Apollo. A confirmação foi feita à SIC por Tiago Violas Ferreira, administrador do grupo.

O objetivo é garantir uma presença portuguesa nos órgãos de decisão do Novo Banco depois da venda.
A Família Violas Ferreira, que está de saída do capital do BPI considera que é de interesse estratégico para o país haver acionistas portugueses representados na gestão dos bancos privados.


A SIC apurou que na proposta do Fundo Apollo a estratégia é valorizar o banco e, a médio prazo, vende-lo, encaixando a mais-valia.

  • Americanos do Lone Star deverão comprar o Novo Banco
    1:00

    Economia

    Luís Marques Mendes garante que houve uma reviravolta no processo de venda do Novo Banco, que deverá ser ganho afinal pelos americanos do fundo Lone Star. O comentador da SIC afirmou também que o Banco de Portugal vai fazer uma primeira proposta ao Governo com o nome do vencedor e que a decisão final será tomada pelo Executivo.

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras