sicnot

Perfil

Economia

Fórum de Davos terá participação recorde e China em destaque

© Ruben Sprich / Reuters

O 47º Fórum Mundial de Davos, que decorre de 17 a 20 de janeiro, terá este ano uma participação recorde de cerca de 3.000 dirigentes económicos e políticos mundiais, incluindo o presidente chinês, Xi Jinping.

Este ano, o Fórum tem como lema "uma liderança recetiva e responsável", anunciou hoje Klaus Schwab, fundador desta iniciativa que atrai todos os anos milhares de pessoas a Davos, na Suíça, uma localidade com 12 mil habitantes e situada nos Alpes a uma altitude de 1.550 metros.

"O interesse fundamental da reunião deste ano está numa delegação chinesa sem precedentes, que será liderada pelo Presidente, Xi Jinping", declarou à AFP Schwab.

"Sem dúvida que também haverá grande interesse em questões como o 'Brexit' e o futuro da Europa", acrescentou. Theresa May, primeira-ministra britânica, deverá participar no Fórum, de acordo com a lista de participantes divulgada hoje à imprensa.

Segundo Schwab, os participantes vão também abordar muitas questões "ligadas à chegada da nova administração norte-americana".

Donald Trump toma posse como presidente dos Estados Unidos a 20 de janeiro, último dia de debates em Davos. Anthony Scaramucci, que faz parte da equipa de transição de Trump, será o representante da nova administração no Fórum.

Uma delegação da equipa do Presidente cessante dos Estados Unidos, Barack Obama, estará também em Davos, liderada pelo vice-presidente, Joe Biden, e incluindo o secretário de Estado, John Kerry.

Sobre o tema desta edição, a responsabilidade dos líderes, Schwab indicou que é preciso analisar as causas do descontentamento dos povos, "saber o porquê de as pessoas estarem zangadas e insatisfeitas".

O novo secretário-geral da ONU, António Guterres, também vai estar em Davos, bem como ministros em representação de 70 países, incluindo todos os do G20.

O mundo dos negócios vai estar representado por diretores-gerais de cerca de mil empresas, entre os quais os chineses Jack Ma, fundador do grupo Alibaba, e Zhang Yaqin, presidente do Baidu, o 'Google chinês'.

Lusa

  • Buscas no Benfica, P. Ferreira, V. Setúbal e Desportivo das Aves

    Desporto

    A Polícia Judiciária do Porto está a fazer buscas à SAD do Benfica, no Estádio da Luz, e ainda ao Paços de Ferreira, Desportivo das Aves e Vitória de Setúbal. Em causa estão alegados crimes de corrupção desportiva e fraude fiscal. O clube da Luz já reagiu em comunicado.

    Em atualização

  • Sousa Cintra e Comissão de Gestão analisam futuro do Sporting
    2:37

    Crise no Sporting

    Sousa Cintra reuniu-se hoje com a Comissão de Gestão para analisar o que fazer no Sporting, depois da tomada de posição de Bruno de Carvalho. O presidente que foi destituído do cargo na Assembleia Geral de sábado, depois de dizer que se ia afastar, deixou depois a garantia de que vai impugnar a reunião magna do clube e vai a eleições.

  • Gato reencontra dono 10 anos depois de ter desaparecido

    Mundo

    A Blue Cross recolheu no mês passado um gato que tinha sido dado como desaparecido em 2008, num altura em que o dono Mark Salisbury residia em Ipswich, Suffolk, no Reino Unido. Graças ao microchip de Harry, a associação britânica que se dedica à proteção animal, conseguiu localizar Salisbury, que agora vive em Gloucestershire.

  • "É a primeira vez que vai ser testado o programa do Nuno Crato"
    0:57

    País

    Os alunos do 11º e 12º anos de escolaridade fazem hoje o exame de matemática, uma das provas mais importantes no acesso à universidade e para a conclusão do ensino obrigatório. No final do secundário, são quase 50 mil os alunos que hoje fazem a prova que acarreta algumas alterações instituídas ainda pelo ex-ministro Nuno Crato, como explicou à SIC Notícias o diretor do Liceu Camões, em Lisboa.

  • "Isto é a demagogia à solta"
    0:45

    Opinião

    Quem o diz é Luís Marques Mendes a propósito da aprovação esta semana da lei do CDS-PP que elimina o adicional do imposto sobre os combustíveis. O comentador da SIC critica a oposição por ter levado a votação uma lei inconstitucional e acusa ainda os parceiros de Governo de deslealdade. 

    Luís Marques Mendes