sicnot

Perfil

Economia

BCE deverá manter taxas inalteradas na reunião de hoje

Os analistas contactados pela Lusa antecipam que o Banco Central Europeu (BCE) deverá manter inalteradas as decisões de política monetária, após a reunião de hoje na sede da instituição, em Frankfurt.

De acordo com o economista chefe do Montepio Geral, Rui Bernardes Serra, depois de na reunião anterior o BCE ter estendido por mais nove meses o programa de compra de dívida e de ter anunciado que, a partir de março, o ritmo de compras mensais será reduzido, aponta-se agora para "uma manutenção das taxas de juro e do essencial do programa".

Rui Bernardes Serra espera que haja o começo de um ciclo de subida da taxa de juro diretora apenas no início de 2019.

A mesma opinião é partilhada pelo economista-chefe do Santander Totta, Rui Constantino: "o BCE deve fazer uma gestão verbal da política, até obter nova informação, que permita reavaliar a política (possivelmente em março, com as novas previsões de crescimento e inflação)".

De qualquer modo, refere, "e do ponto de vista da política convencional, as taxas de juro deverão permanecer em níveis baixos durante um período de tempo prolongado, além do final do programa, em dezembro de 2017".

Segundo a analista financeira do banco BPI, Teresa Gil Pinheiro, que também acredita que a instituição liderada por Mario Draghi opte na quinta-feira por manter inalteradas as suas decisões de política monetária, o BCE "preferirá que os sinais de melhoria da atividade económica, incluindo preços, que se têm observado, se consolidem antes de alterar a sua postura no que concerne ao atual cariz acomodatício da sua política".

Do mesmo modo, o economista do Banco Carregosa, Rui Bárbara, diz "não esperar novidades", depois da distensão do programa de compra de ativos (que reduziu o montante das compras de 80 para 60 milhões de euros e prolongou o programa que deveria terminar em março até ao final de 2017).

"É verdade que já surgiram os primeiros sinais de inflação, principalmente na Alemanha, das matérias-primas haveria de provocar a subida de outros preços. Acho que Draghi vai manter o discurso e mais não fará do que retórica", disse o economista à Lusa.

O gestor da corretora XTB, Nuno Mello, lembrou que na última reunião de dezembro Mario Draghi disse que o cenário para um regresso sustentável ao objetivo de inflação se mantinha estável e que os receios em torno da deflação se tinham dissipado.

"A primeira reunião de 2017 acontece num ambiente de recuperação económica ainda frágil, mas com sinais de ligeira recuperação inflacionista", disse o economista, referindo que as expectativas de inflação de consumo voltaram a subir pela segunda vez consecutiva, para níveis de finais de 2013.

O índice de preços do consumidor, referente ao mês de dezembro, também saiu acima do esperado nos 1,10%, lembrou.Também para Marisa Cabrita, gestora de ativos da Orey Financial, apesar dos recentes números de inflação na zona euro mostrarem alguma expansão, "é necessário que este crescimento se mostre consistente".

Igualmente para Franck Dixmier, da Allianz Global Investors (AllianzGI), "a dinâmica de crescimento positiva evidenciada pelos indicadores de referência é insuficiente para a infletir significativamente; em particular, a anemia na criação de emprego não permite gerar uma subida substantiva nos salários suficiente para aumentar a inflação-base."

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35

    País

    A data para as próximas eleições autárquicas já gerou consenso. 1 de outubro é a data pedida pelos vários partidos ouvidos esta segunda-feira por António Costa. Na próxima quinta-feira, no Conselho de Ministros, o dia de ir às urnas vai ser escolhido.