sicnot

Perfil

Economia

Passos Coelho quer que Governo reveja as metas do salário mínimo até 2019

Oct\303\241vio Passos

O líder do PSD apelou este sábado a que o Governo reveja as metas estabelecidas para o aumento do Salário Mínimo Nacional (SMN), por os valores em causa serem incompatíveis com a evolução económica e denunciarem "conversa infantil".

Pedro Passos Coelho abordou o tema na apresentação do candidato social-democrata à corrida autárquica pela Câmara Municipal de Arouca, onde realçou que as medidas agora tomadas pelo Governo terão consequências a longo prazo com que outros terão que lidar no futuro.

"Este ritmo de crescimento do SMN não é sustentável a longo prazo. Pois claro: porque a longo prazo não serão eles a governar", declarou. "O que o Governo tem que fazer é rever a decisão que tomou quanto ao que vai ser o salário mínimo ate 2019", acrescentou.

Para o presidente do PSD, em causa estão os cálculos que indicam que o SMN irá aumentar 19% até 2019, enquanto as empresas portuguesas se ficarão apenas por um crescimento de 5%.

"Alguém acredita que os salários podem crescer 19% nestes anos se as empresas não crescerem também?", questionou. "Essa conversa é infantil (...) e (PS, BE e PCP) têm que ser responsabilizados pelas consequências das políticas que estão a decidir", defendeu.

Quanto à redução da Taxa Social Única (TSU) a pagar pelas entidades patronais como compensação pelo crescimento do SMN, Pedro Passos Coelho reconheceu que agora votou contra a medida, no parlamento, quando antes adotora solução idêntica enquanto primeiro-ministro.

Mas explicou: "O facto de uma vez se ter usado excecionalmente a questão da TSU para o SMN não significa que a medida possa ser banalizada. Quando tomei em 2014 uma medida dessas, expliquei que era excecional e que não se podia voltar a repetir".

O risco prende-se com "o que acontece quando ela se repete".

"Em abril de 2014, o número de trabalhadores com tempo completo e em situação de receber o SMN era de cerca de 400.000 pessoas. Dois anos depois, em abril de 2016, esse número já tinha mais do que duplicado: eram cerca de 840.000", recordou o presidente do PSD.

"A TSU significa taxa social 'única'", realçou Passos Coelho em seguida. "Se passa a haver uma taxa para o SMN todos os anos e outra taxa diferente para os outros salários todos, é evidente que os empregadores têm um certo incentivo a escolher a taxa mais baixa e a contratar apenas para o SMN - e isso é perverso", defendeu.

O líder dos sociais-democratas insistiu, por isso, que, se os aumentos do SMN forem apenas em valores compatíveis com o crescimento da economia e da produtividade, "não são precisas medidas de compensação nenhumas".

"Mas se o Governo mantiver a sua negociação política com o BE, que aponta para um crescimento do salário que é superior ao crescimento da economia e do que as empresas podem suportar, nesse caso terá que encontrar com o BE e o PCP medidas que compensem isso - não com o PSD", concluiu.

Lusa

  • "Cada drama, cada problema, cada testemunho, impressiona muito"
    1:55
  • Clínica veterinária em Tondela recebeu dezenas de animais feridos nos fogos
    2:57
  • Temperaturas sobem até ao final do mês
    1:09

    País

    O tempo não dá tréguas e, até ao final do mês, as temperaturas vão atingir valores acima do normal para esta época do ano. As temperaturas máximas vão subir entre os 25 e os 32 graus. O risco de incêndio aumenta a partir desta segunda-feira em todo o país e os meios aéreos, viaturas, operacionais e equipas de patrulha vão ser reforçados.

  • Maioria das praias do Algarve já não tem nadador-salvador
    2:19

    País

    A lei não obrigada os concessionários a garantir o serviço e, por isso, a esmagadora maioria das praias do Algarve está sem vigilância desde 30 de setembro. Ainda assim, os areais vão atraindo milhares de banhistas com as temperaturas altas que ainda se fazem sentir. Um nadador-salvador recomenda os banhistas a não nadar e, em dias de ondulação, evitar caminhadas à beira-mar.

  • Parlamento catalão vai responder à ativação do artigo 155
    1:54
  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31