sicnot

Perfil

Economia

Cristas pergunta a Costa como pode manter confiança em Centeno

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, questionou hoje o primeiro-ministro, António Costa, sobre a manutenção da confiança no ministro das Finanças, Mário Centeno, defendendo que, de forma "perfeitamente clara e evidente", se sabe ter mentido no parlamento.

"O ministro Mário Centeno tem estado tão atrapalhado e tão atrapalhado está que já se percebeu que mentiu nesta casa. Vale a pena também uma reflexão sua sobre essa matéria: em que medida é que pode manter confiança num ministro que mentiu nesta casa, de forma agora perfeitamente clara e evidente", afirmou Assunção Cristas.

No debate quinzenal com o primeiro-ministro no parlamento, a líder centrista aludiu, assim, a uma troca de correspondência entre o anterior presidente da Caixa Geral de Depósitos e o ministro das Finanças hoje divulgada pelo jornal online ECO, segundo a qual António Domingues teria acordado com Mário Centeno a dispensa de apresentar a sua declaração de rendimentos ao Tribunal Constitucional.

António Costa não respondeu, aludindo apenas à "ligeireza" com que, todos os debates quinzenais, Assunção Cristas faz acusações de mentira.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.