sicnot

Perfil

Economia

Presidente da Toshiba demite-se com previsão de avultados prejuízos

O presidente do gigante tecnológico japonês Toshiba, Shigenori Shiga, apresentou hoje a demissão devido ao elevado prejuízo que a empresa prevê apresentar, com uma desvalorização no seu negócio de energia nuclear nos Estados Unidos.

A decisão de Shiga já era esperada hoje, dia em que a empresa tinha previsto apresentar os resultados correspondentes aos primeiros nove meses do exercício fiscal de 2016, o que acabou por ser adiado por problemas na auditoria das contas.

Shiga assumiu "a responsabilidade pela gestão" e deterioração dos ativos da empresa Westinghouse Electric, uma unidade de energia nuclear com base nos Estados Unidos, informou a Toshiba em comunicado.

O presidente da tecnológica vai abandonar o cargo na quarta-feira, mas continuará como diretor-executivo até à assembleia geral de acionistas prevista para o próximo mês de junho e até essa altura vai concentrar-se em "resolver os problemas relacionados com a Westinghouse Electric", indicou a empresa.

A Toshiba pediu às autoridades financeiras para atrasar até 14 de março a apresentação dos resultados da empresa relativos aos primeiros nove meses do exercício de 2016.

Nesse período, entre abril e dezembro de 2016, a empresa prevê um prejuízo de 4.144 milhões de euros, incluindo perdas de 5.902 milhões de euros devido à desvalorização do seu ramo nuclear, anunciou hoje a empresa.

Com base nesta estimativa de resultados ainda não auditados, a Toshiba prevê registar perdas de 3.232 milhões de euros em todo o exercício de 2016, mais do dobro do que calculara anteriormente (1.202 milhões de euros).

Lusa


  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.

  • G7 reforça compromisso na luta contra o terrorismo
    2:11