sicnot

Perfil

Economia

2,1%: "défice de 2016 será o mais baixo da história da nossa democracia"

2,1%: "défice de 2016 será o mais baixo da história da nossa democracia"

O ministro das Finanças assegurou hoje que o défice orçamental de 2016 não será superior a 2,1% do PIB, considerando que os indicadores mais recentes da economia são "alicerces mais sólidos" e que ajudam à "saúde das contas públicas".

"O défice em 2016 será o mais baixo da história da nossa democracia e não será superior a 2,1%", afirmou esta quarta-feira Mário Centeno na comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, onde está a ser ouvido esta manhã.

Depois de citar os números economia portuguesa divulgados na terça-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), que dão conta de um crescimento médio do Produto Interno Bruto (PIB) de 1,4% em 2016, o ministro afirmou que "Portugal possui hoje alicerces mais sólidos para garantir um crescimento económico sustentado e equitativo, mas também pela saúde das contas públicas".

Com Lusa

  • Bruxelas elogia evolução da economia nacional
    2:40

    Economia

    A Comissão Europeia elogiou esta segunda-feira evolução da economia portuguesa. No que toca ao crescimento, à descida do desemprego e ao défice, Bruxelas não só melhorou as previsões, como até ultrapassou as melhores expectativas do Governo. Ainda assim, deixa alguns alertas. Em comunicado, o Ministério das Finanças considera que a Comissão Europeia reconhece o sucesso da estratégia económica do Governo e confirma o seu realismo.

  • Bruxelas também prevê défice de 2,3% em 2016

    Economia

    A Comissão Europeia concorda com o Governo português na previsão do défice do ano passado. As previsões económicas de inverno, divulgadas hoje, são melhores do que as de outono, mas os técnicos de Bruxelas alertam que os problemas no sector bancário ainda podem estragar as contas.

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.