sicnot

Perfil

Economia

Assunção Cristas critica crescimento modesto da economia

A presidente do CDS-PP considerou hoje muito modesto o anunciado crescimento da economia em 1,4%, resultado que diz frustrar os objetivos do Governo e divergir da média europeia.

"Mais uma vez o Governo frustra os objetivos a que se propõe e quando comparado com aquilo que é a dinâmica de crescimento da Europa", afirmou Assunção Cristas, considerando "muito modestos" os resultados obtidos em matéria de crescimento económico.

Os resultados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), na terça-feira, revelam que o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 1,4% em 2016, valor que superou as projeções do Governo (que apontava para os 1,2%) e da Comissão Europeia (que estimava um aumento de 1,3%).

"O que nós vimos mais uma vez é que continuam a divergir da média europeia", disse Assunção Cristas aos jornalistas, lembrando que "a Europa cresce a 1,7%" e alguns Estados -- membros, como Espanha, [cresce] 3,2%, pelo que o CDS não vê "razão para Portugal crescer 1,4%".

Tanto mais que o número, "se comparado com a promessa do primeiro-ministro [António Costa] , quando candidato (...), que apontava para 2,4%", se traduz em "resultados muito modestos" que para Assunção Cristas justificam a necessidade de "sinalizar qual é o caminho" para o crescimento: "trabalhar fortemente para exportar mais"

De outra forma, o país irá "sempre continuar a crescer de forma muito modesta quando comparado com os objetivos", sublinhou.

Assunção Cristas falava nas Caldas da Rainha, à margem de uma visita à empresa Molde, empresa cerâmica voltada para a exportação e que a líder do CDS-PP considera ser "um exemplo" do caminho que deve ser seguido em visando o crescimento da economia.

Lusa