sicnot

Perfil

Economia

Portugal coloca 1.250 M€ de dívida com juros ainda mais negativos

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

Portugal colocou hoje 1.250 milhões de euros em Bilhetes de Tesouro (BT) a três e 11 meses a taxas de juros médias negativas e inferiores às dos anteriores leilões comparáveis, foi hoje anunciado.

Segundo a página do IGCP - Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública na Bloomberg, no prazo de 11 meses foram colocados hoje 1.000 milhões de euros à taxa de juro média de -0,096%, inferior à de 0,006% verificada no leilão precedente desta maturidade. A procura de BT a 11 meses atingiu 1.915 milhões de euros, 1,92 vezes o montante colocado.

Em relação aos BT a três meses, o IGCP colocou 250 milhões de euros a uma taxa de juro média negativa de -0,219%, também inferior à de -0,012%, verificada no anterior leilão comparável de 19 de outubro. O total de propostas dos investidores para esta maturidade atingiu 1.020 milhões de euros, mais de quatro vezes o montante colocado.

Em 19 de outubro do ano passado, o IGCP colocou 900 milhões de euros em BT a 11 meses a uma taxa de juro média de -0,006% e 350 milhões de euros em BT a três meses a uma taxa de juro média negativa de -0,012%.

O IGCP tinha anunciado para hoje a realização de dois leilões das linhas de Bilhetes do Tesouro com maturidades em 19 de maio de 2017 e 19 de janeiro de 2018, com um montante indicativo global entre os 1.000 milhões de euros e os 1.250 milhões de euros.

Lus

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.