sicnot

Perfil

Economia

Tráfego nos aeroportos portugueses cresce 14,2% em 2016

TIAGO PETINGA

O tráfego nos aeroportos portugueses cresceu 14,2% em 2016, na comparação homóloga, para 44,477 milhões de passageiros, incluindo mais de 22 milhões de passageiros em Lisboa, informou esta quarta-feira a ANA-Aeroportos de Portugal.

Em comunicado, a empresa gestora dos aeroportos informou que o tráfego atingiu 9,4 milhões de passageiros no Porto (+16%), 7,6 milhões em Faro (+18,5%), 3,1 milhões na Madeira (+15%) e 1,9 milhões nos Açores (+18%).

Os 22,4 milhões de passageiros no aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, significaram uma subida de 11,7% face a 2015."De registar que ao longo de 2016 todos os meses foram de recordes de passageiros no aeroporto Humberto Delgado", notou a ANA, num documento divulgado na cerimónia de assinatura do memorando de entendimento para aumentar a capacidade aeroportuária da região lisboeta e que deve passar por um aeroporto complementar no Montijo.

Segundo a empresa, o tráfego nos aeroportos nacionais têm, desde 2013, crescido ao ritmo mais alto da Europa.Em 2016, operaram nos aeroportos portugueses 66 companhias aéreas contra as 58 registadas no final de 2015.

O número de destinos foi de 149 e foram criadas 27 novas rotas.No ano passado, a concessionária investiu 96,2 milhões de euros em "melhorias operacionais e em novas aéreas comerciais", esperando-se para este ano "mais um ano de forte investimento, com o montante a chegar aos 71,1 milhões de euros".

O memorando inclui um novo plano diretor para o aeroporto da capital "poder atingir a sua capacidade máxima e permitir a sua competitividade enquanto 'hub' (centro de operações) internacional e a utilização para voos civis da base aérea do Montijo como capacidade complementar".

No âmbito do memorando, a ANA vai desenvolver "estudos adicionais necessários", nomeadamente de análise do usos civil e militar no Montijo, dos impactos ambientais, "identificação das necessárias acessibilidades para garantir a correta integração da infraestrutura".

As vantagens do Montijo sobre opções alternativas foram registadas nos estudos técnicos encomendados pela ANA e NAV, assim como um grupo de trabalho estabelecido pelo Governo "concluiu também a favor da validade e capacidade desta solução em termos de navegação aérea civil".

O memorando de entendimento entre a ANA - Aeroportos de Portugal e o Governo foi assinado cinco anos antes do calendário previsto no contrato de concessão.

O calendário para efetivar a escolha do Montijo como aeroporto complementar de Lisboa prevê que até novembro deste ano sejam completados os estudos ambientais, enquanto na primeira metade de 2018 serão concluídas a avaliação ambiental e a negociação contratual com a ANA.

Durante o próximo ano serão desenvolvidos os "projetos de detalhe, para que, caso o Governo aprove a proposta final do concessionário, a construção do aeroporto no Montijo possa iniciar-se em 2019 e terminar em 2021", como anunciou esta quarta-feira o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques.

Com um aeroporto complementar no Montijo fica assegurada a duplicação da capacidade atual de transporte aéreo da região de Lisboa, que passará a poder movimentar 72 aviões por hora e transportar 50 milhões de passageiros por ano.

Lusa

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.