sicnot

Perfil

Economia

Rejeitada proposta dos Verdes para Portugal não comprar eletricidade de nuclear a Espanha

A proposta do partido "Os Verdes" para que Portugal deixe de importar eletricidade gerada por centrais nucleares foi hoje rejeitada no Parlamento, apesar de Heloísa Apolónia defender que a desagregação entre fontes energéticas é possível, se as regras mudarem.

O objetivo do projeto de resolução do Partido Ecologista "Os Verdes" (PEV) era recomendar ao Governo que concretizasse esforços para que no Mercado Ibérico de Eletricidade (MIBEL) a energia elétrica transacionada fosse identificada com a fonte de energia primária que lhe dá origem.

O Governo deveria, assim, proceder às alterações da regulamentação das atividades de compra e venda de eletricidade em Portugal, para interditar a venda, aos consumidores, de eletricidade proveniente de fonte nuclear.

Todos os partidos concordam no pedido de uma posição firme de Portugal relativamente à eventual intenção de Espanha de prolongar a vida da central nuclear de Almaraz, a 100 quilómetros da fronteira portuguesa, com licença de atividade até 2020.

Mas, quanto ao fim da compra de eletricidade conseguida a partir da produção nuclear, somente o PEV votou a favor, enquanto o Bloco de Esquerda, o PCP e o Partido Pessoas, Animais e Natureza (PAN) optaram pela abstenção e os restantes partidos votaram contra.

Os argumentos contra a proposta centram-se na impossibilidade de, atualmente, desagregar as origens da energia, mas também no facto de esta opção contrariar acordos internacionais e regras europeias, além de pôr em causa a aposta de Portugal na venda de eletricidade a partir de renováveis, depois da interligação da Península Ibérica com o resto da Europa.

"Não é possível, nas atuais condições, impedir a entrada de energia nuclear", defendeu o deputado Hugo Costa, do PS, enquanto António Costa e Silva, do PSD, questionou o PEV sobre se estava disposto a "ir contra o modelo ibérico" que Portugal tem defendido para a energia, incluindo os planos de apostar na exportação de energia renovável, quebrar acordos internacionais e contrariar regras europeias neste setor.

Heloísa Apolónia respondeu que "hoje as regras de mercado não permitem" a desagregação e distinção na rede de distribuição, mas o objetivo era que o Governo concretizasse medidas para tornar isso possível.

Para o PEV, "é possível ajeitar o mercado para que os volumes transacionáveis possam ser discriminados, distinguidos, desagregados em relação à proveniência da eletricidade produzida".

"Queremos Portugal a fazer conexões ibéricas [Notes:no mercado da eletricidade] , com energias limpas", acrescentou.

Bruno Dias, do PCP, defendeu a reorganização das fileiras energéticas e alertou para a necessidade de reforçar a investigação científica, criticando a falta de aposta nesta área, e de acompanhar a inovação em soluções energéticas.

Através do deputado Álvaro Castelo Branco, o CDS/PP transmitiu concordar com os pressupostos da iniciativa do PEV, mas ter dúvidas por pôr em causa o MIBEL, defendendo que o Governo deve posicionar Portugal como exportador de energias renováveis.

Lusa

  • Leão de Ouro de Souto de Moura faz "muito bem à alma" dos portugueses
    1:53
  • "Sonho com um futuro melhor", o desejo de um jovem sírio em Portugal
    2:12

    País

    Mais de 50 jovens sírios chegaram esta madrugada a Lisboa, para iniciarem o novo ano letivo, em Portugal. Sonham com um futuro melhor. Sonham com uma educação melhor. Os 54 estudantes vieram ao abrigo do programa lançado pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, que nos últimos anos já deu uma nova oportunidade a cerca de 200 alunos.

  • Na linha do triunfo
    16:49
  • Chamas do incêndio no Europa Park na Alemanha atingiram os 15 metros de altura
    0:57