sicnot

Perfil

Economia

Desemprego na OCDE recua para 6,1% em janeiro, em Portugal continua nos 10,2%

© Rafael Marchante / Reuters

O desemprego no conjunto dos países que integram a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) recuou 0,1 pontos percentuais, para os 6,1%, em janeiro, tendo-se mantido inalterado em Portugal e na zona euro.

De acordo com os dados hoje divulgados pela OCDE, nos 35 países membros da organização havia 38,310 milhões de desempregados em janeiro, menos 173 mil do que em dezembro de 2016.
Do total de desempregados na OCDE em janeiro, 522 mil estavam em Portugal, onde a taxa de desemprego se manteve nos 10,2% de dezembro.


Na zona euro, o desemprego manteve-se também estável, nos 9,6%, o valor mais baixo desde maio de 2009, sendo que esta estabilidade se estendeu a cerca de metade dos países do euro.


Já na União Europeia, o desemprego diminuiu 0,1 pontos percentuais em janeiro para 8,1%.


Com os dados de janeiro relativos à Grécia indisponíveis (o valor mais recente é de novembro e colocava o país como o membro da OCDE com o desemprego mais elevado, nos 23%), no primeiro mês de 2017 as taxas mais altas registaram-se em Espanha (18,2%), Itália (11,9%) e Portugal (10,2%).


A taxa de desemprego de 18,2% em Espanha correspondeu, contudo, a um decréscimo de 0,2 pontos percentuais face ao mês anterior e confirmou a tendência de declínio que se mantém praticamente desde o final de 2013.


A taxa de desemprego jovem (entre os 15 e os 24 anos) nos países da OCDE recuou 0,1 pontos percentuais para 12,5% e, em Portugal, desceu dos 26,2% de dezembro para os 25,7% em janeiro.


Em Espanha, o desemprego jovem também desceu (0,6 pontos percentuais) para os 42,2% e em Itália diminuiu 1,2 pontos percentuais para os 37,9%.

Lusa

  • O que vai mudar nos recibos verdes
    2:55

    Economia

    Os trabalhadores independentes vão descontar menos para a Segurança Social já no próximo ano. A taxa vai descer dos 29,6% por cento para os 21,4%. A descida será compensada por um aumento das contribuições pagas pelos patrões. Há também alterações em caso de desemprego e o subsídio de doença passa a ser pago ao fim de 10 dias em vez de 31.

  • Bebé nasce com coração fora do peito e sobrevive
    2:06