sicnot

Perfil

Economia

Portugal no mercado para arrecadar até 1.500 milhões em Bilhetes de Tesouro

Portugal vai na quarta-feira ao mercado para arrecadar até 1.500 milhões de euros através de dois leilões de Bilhetes de Tesouro, a seis e a 12 meses, segundo a Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP).

Os dois leilões das linhas de Bilhetes de Tesouro (BT) realizam-se pelas 10:30 da próxima quarta-feira e têm maturidades a 22 de setembro de 2017 (seis meses) e a 16 de março de 2018 (um ano), com um montante indicativo global entre 1.250 milhões e 1.500 milhões de euros.

Em janeiro, nos últimos leilões de BT comparáveis, Portugal conseguiu colocar 1.400 milhões de euros a um ano a uma taxa de juro de -0,047% e 350 milhões de euros a seis meses com uma taxa de juro de -0,091%.

Na altura, o montante total colocado (1.750 milhões de euros) superou o valor indicativo, entre 1.250 e 1.500 milhões de euros, e as taxas de colocação foram negativas e mais baixas.

Os leilões da próxima quarta-feira já estavam previstos no programa de financiamento do IGCP a curto prazo no primeiro trimestre deste ano, sendo que esta é a terceira vez que a agência liderada por Cristina Casalinho vai ao mercado para emitir BT desde o início do ano, tendo conseguido arrecadar um total de 3.000 milhões de euros nas duas idas ao mercado anteriores.

Lusa

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Dominado incêncio no centro de tratamento de resíduos da Tratolixo
    1:55

    País

    O fogo na Tratolixo, em Trajouce, deflagrou esta segunda-feira à noite. As chamas foram controladas a meio da manhã pelos bombeiros. No local estão 133 operacionais, apoiados por 51 veículos. O fogo não fez vítimas nem danos materiais. O vento dificultou o combate às chamas.

  • Duas execuções no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.