sicnot

Perfil

Economia

Venda de jogos cresceu 23,9% em 2016 com Raspadinha e Placard

A venda de jogos da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa rendeu em 2016 um total de 2.775,2 milhões de euros, mais 23,9% do que no ano anterior, à custa das raspadinhas e do Placard.

De acordo com o relatório e contas de 2016 do Departamento de Jogos da Santa Casa, apresentado hoje, em 2016 a venda de jogos conseguiu mais 534,9 milhões de euros do que em 2015.

O relatório aponta ainda que 97% (2.690,6 milhões de euros) do total de receitas com os jogos foram devolvidos à sociedade, através do pagamento de prémios de jogo, imposto de selo para o Estado, resultados distribuídos pelos beneficiários, promoção do desporto, patrocínios e investimento na promoção da legalidade e do jogo responsável.

Em 2016, o número de registo de apostas ascendeu a 1.128 milhões, superando em 24,1% o número de registos observado no ano anterior, e foram atribuídos prémios num total de 1.668,0 milhões de euros, mais 372,4 milhões de euros do que em 2015.

A raspadinha, com um volume de vendas de 1.359,1 milhões de euros, mais 23,4% do que em 2015, manteve-se como o jogo mais vendido.

O novo jogo de apostas Placard, que funcionou em 2016 pelo primeiro ano completo, aumentou as vendas em 489,3% em relação a 2015 e assumiu-se como o terceiro jogo mais vendido, com um peso de 13,4% no conjunto de vendas.

Todos os outros jogos Santa Casa registaram em 2016 uma variação negativa no volume de vendas em relação a 2015, com destaque para o Totobola, que arrecadou em 2016 uma receita inferior a 18,6% em relação ao ano anterior.

De acordo com o relatório e contas de 2016 da Santa Casa, que hoje foi também apresentado, a instituição apresentou resultados líquidos de 21,1 milhões de euros, o que representa um aumento de 15,3 milhões face ao ano anterior e resultados "superiores em 30 milhões de euros face ao previsto em orçamento".

De acordo com a instituição, estes resultados decorrem de um controlo eficaz da despesa, nomeadamente em compras, fornecimentos e serviços externos, e de uma variação positiva da distribuição dos resultados dos Jogos Sociais.

Lusa

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Itália tenta colocar migrações na agenda do G7 contra vontade dos EUA
    1:45
  • Com a multiplicação de bons indicadores económicos e financeiros do país, multiplicam-se os elogios ao Governo e declaram-se mortas e enterradas as políticas do passado recente, nomeadamente a da austeridade. Nada mais errado. O que os bons resultados agora alcançados provam definitivamente é que a austeridade resolveu de facto os problemas das contas públicas e, mais do que isso, contribuiu para o crescimento económico que foi garantido por reformas estruturais e pela reorientação do modelo económico.

    José Gomes Ferreira

  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.