sicnot

Perfil

Economia

Portugal colocou 1.250 M€ em dívida de longo prazo a juros mais baixos

Portugal colocou hoje 1.250 milhões de euros, montante máximo indicativo, em Obrigações do Tesouro (OT) a 5 e 10 anos a taxas de juro inferiores em ambos os prazos às dos anteriores leilões comparáveis, foi anunciado.

Segundo a página da Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) na Bloomberg, foram colocados 618 milhões de euros de OT com maturidade em 17 de outubro de 2022 (cinco anos e cinco meses) à taxa de juro de 1,828%, mais baixa do que a registada em abril (2,174%).

Em OT com maturidade em 14 de abril de 2027 (nova anos e 11 meses), o IGCP colocou 632 milhões de euros a uma taxa de juro de 3,386%, também inferior à do anterior leilão comparável de março, de 3,950%.

A procura de OT a cinco anos atingiu 1.253 milhões de euros, 2,03 vezes superior ao montante colocado, e a de OT a dez anos cifrou-se em 1.216 milhões de euros, 1,92 vezes superior ao montante colocado.

No último leilão comparável de OT do prazo mais curto, em 12 de abril deste ano, foram colocados 625 milhões de euros em OT a cinco anos e seis meses (maturidade em 17 de outubro de 2022), à taxa de juro de 2,174%, mais baixa do que a registada em fevereiro (2,753%).

Em relação ao prazo mais longo, no anterior leilão comparável, em 08 de março, foram colocados 612 milhões de euros em OT a nove anos e quatro meses, (maturidade em 21 de julho de 2026), a uma taxa de juro de 3,950%.

No início de abril, a instituição liderada por Cristina Casalinho indicou que prevê emitir durante o segundo trimestre até ao máximo de 5.250 milhões de euros em dívida de curto e longo prazo.

Lusa

  • Chamas passaram por cima da A23
    1:06

    País

    A A23 esteve cortada ao longo do dia por causa do fumo e das chamas. Em direto para a SIC Notícias, perto das 18h30, os repórteres da SIC presenciaram o momento em que o fogo passou por cima da autoestrada da Beira Interior.

  • "Só numa ditadura é possível tentar esconder o número de vítimas"
    0:51

    Tragédia em Pedrógão Grande

    O primeiro-ministro diz que é "lamentável" a tentativa de aproveitamento político à volta dos incêndios. António Costa esteve esta quarta-feira à tarde na Autoridade Nacional de Proteção Civil e, no final do briefing, disse que é preciso confiança nas instituições do Estado. O primeiro-ministro deixou ainda muitas críticas à oposição no caso da lista de vítimas de Pedrógão Grande.

  • E os 10 mais ricos de Portugal são...

    Economia

    A família Amorim lidera a lista dos mais ricos do país, com uma fortuna avaliada em 3840 milhões de euros. Em segundo lugar surge Alexandre Soares dos Santos com 2532 milhões de euros. A família Guimarães de Mello ainda entra para o top 3, com um valor de 1471 milhões de euros. A lista foi elaborada pela revista EXAME, que conclui que os ricos estão ainda mais ricos, pela quarta vez consecutiva.

    Bárbara Ferreira