sicnot

Perfil

Economia

Precários do Estado podem concorrer a integração a partir de amanhã

ANT\303\223NIO COTRIM

O primeiro-ministro, António Costa, garantiu hoje ao Bloco de Esquerda que apenas um "grande azar" impedirá os precários do Estado de concorrer, a partir de quinta-feira, à sua integração nos quadros, como previsto.

"Seria preciso mesmo um grande azar para aquilo que está previsto hoje não acontecesse amanhã", assegurou António Costa, falando no debate quinzenal no Parlamento.

E insistiu: "salvo uma falha informática, uma falha de energia ou um problema dessa natureza, sim, amanhã [quinta-feira] abre o prazo para os trabalhadores que se encontrem em situação precária no Estado poderem requerer a avaliação da sua situação e iniciar o seu processo de integração nos quadros do Estado".

Antes, Catarina Martins, coordenadora do BE, tinha lamentado os "atrasos" neste processo e definido como "importante" garantir o prazo pela "expectativa de cada um e cada uma destes trabalhadores" precários.

"Nunca ficamos contentes com o que está feito quando sabemos que ainda temos um caminho tão grande por fazer. Ainda bem que o processo começa amanhã [quinta-feira] ", prosseguiu, lamentando posteriormente que os professores não integrem este processo.

Depois, a líder do BE falou sobre a greve dos médicos, que decorre entre hoje e quinta-feira, criticando a ausência de respostas do Governo, seja por via do primeiro-ministro ou do ministro da Saúde.

"O ministro não tem falado, o Governo não tem falado e não falaremos até à conclusão da greve", disse António Costa, garantindo que, "terminada a greve", o executivo falará.

De todo o modo, o chefe do Governo valorizou as contratações feitas para o Serviço Nacional de Saúde (SNS) e lembrou que houve "várias necessidades" desde que tomou posse na administração pública, nomeadamente na reposição de vencimentos e alteração do horário de trabalho semanal.

"Há uma pressão global sobre as finanças que temos de gerir e ir compatibilizando isso com as necessidades específicas em cada setor", declarou António Costa.
Catarina Martins lembrou que os Orçamentos do Estado "são escolhas, como tudo na política", e lamentou a "escolha clara de contrair a despesa para conseguir metas do défice muito além daquelas que tinham até sido previstas pelo Governo no primeiro momento em que fez o OE" de 2016.

"O BE tem participado, feito propostas, colaborado para um caminho que pare o empobrecimento em Portugal", prosseguiu a coordenadora bloquista.

Catarina Martins lançou ainda farpas a PSD e CDS-PP, advogando que "a realidade todos os dias tira o tapete à direita", nomeadamente na criação de emprego e no aumento do salário mínimo nacional.

Lusa

  • "Almaraz: Uma bomba-relógio aqui ao lado"
    1:56
  • S. João do Porto sem balões
    2:36

    País

    No Porto, milhares de pessoas foram para a rua festejar o São João. Este ano houve tolerância zero no lançamento de balões, por causa do risco de incêndio. O fogo de artifício começou com mais de 15 minutos de atraso.

  • Mais de 100 detidos pela PSP e GNR nas últimas 24 horas

    País

    Só a GNR deteve 64 pessoas em flagrante delito, entre a noite de sexta-feira e o início da manhã deste sábado, a maioria das quais (47) por condução sob o efeito do álcool. A PSP de Lisboa efetuou 41 detenções em 24 horas, dez por tráfico de droga.

  • Videoamador mostra grupo a atar tocha a um touro
    1:33
  • PJ investiga forma como o FC Porto obteve os e-mails
    1:58

    Desporto

    Enquanto o campeonato português de futebol está de férias do relvado, nos bastidores continua uma guerra aberta por causa dos e-mails. O FC Porto entregou à Polícia Judiciária toda a documentação disponível do chamado caso dos e-mails, que envolve o Benfica num alegado esquema de corrupção. O pedido foi feito pela Unidade Nacional de Combate à Corrupção da PJ. A forma como o FC Porto obteve os e-mails também está a ser investigada pela Polícia Judiciária.

  • Manifestantes bloquearam Caracas

    Mundo

    Milhares de pessoas bloquearam esta sexta-feira as ruas de Caracas e de outras cidades, em protesto contra a repressão e o assassinato de manifestantes pelas forças de segurança.