sicnot

Perfil

Economia

Reclamações de clientes bancários aumentaram 4,8% o ano passado

As reclamações de clientes bancários aumentaram 4,8% o ano passado, face a 2015, tendo sido os bancos estrangeiros os que receberam proporcionalmente mais queixas, segundo o Banco de Portugal.

De acordo com o Relatório de Supervisão Comportamental, hoje divulgado, em 2016 foram apresentadas 14.141 reclamações contra os bancos que atuam em Portugal, numa média de 1.178 por mês, mais 4,8% do que em 2015.


"Este crescimento, que significa a retoma dos valores de 2014, deve-se sobretudo ao aumento das reclamações em matérias relacionadas com contas de depósitos", lê-se no documento.


A alteração de cláusulas contratuais, a prestação de informação pelos bancos, a cobrança de comissões e problemas relacionados com cobrança de valores em dívida foram as matérias que motivaram mais queixas.


As reclamações por alteração das cláusulas contratuais representaram 18,3% das reclamações, sendo que mais de metade diziam respeito a contas de depósito e um quarto a crédito à habitação, e as reclamações por comissões e encargos ascenderam a 15,7% do total.


Quanto às reclamações encerradas em 2016, em 64% dos casos o Banco de Portugal considerou que não houve infração pelo banco em causa. Já nos restantes 36% houve a resolução da situação pelo banco, seja por decisão deste seja por determinação do supervisor.


Estes valores são exatamente os mesmos registados em 2015.


Quanto às instituições mais reclamadas, os bancos estrangeiros lideraram as reclamações feitas em 2016 relativamente às contas de depósitos, ao crédito aos consumidores e à habitação.


Nos depósitos à ordem, a sucursal do Deutsche Bank em Portugal recebeu 2,32 reclamações por cada 1.000 contas, o Banco Bilbao Vizcaya Argentaria 1,54 e o Banco do Brasil 0,46.


No crédito aos consumidores, o maior número de reclamações teve como objeto o FCE (Ford Credit Bank), com 2,45 reclamações por cada 1.000 contratos, seguido do Deutsche Bank, com 1,87, e da Caixa Leasing e Factoring (da Caixa Geral de Depósitos), com 1,13.


No crédito hipotecário, o BBVA (Banco Bilbao Vizcaya Argentaria -- Portugal) lidera as reclamações, com 2,74 reclamações por 1.000 contratos, seguido do Banco BIC Português (1,69) e do português Santander Totta, que tem como casa-mãe o espanhol Santander, com 1,51.

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.