sicnot

Perfil

Economia

Clima económico sobe em abril e atividade económica aumenta em março

O indicador de clima económico, disponível até abril, aumentou em Portugal, assim como o indicador de atividade económica subiu em março, segundo dados do INE hoje divulgados.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) refere que o indicador de clima económico (calculado através de inquéritos a empresas de vários setores de atividade) subiu para os 1,8 pontos em abril (1,6 pontos em março e 1,1 pontos em abril do ano anterior).

O indicador de clima económico aumentou entre janeiro e abril, após ter diminuído nos três meses anteriores.Já o indicador de atividade económica recuperou em março, para 2,4 pontos, após ter interrompido no mês anterior o perfil positivo observado desde agosto (2,3 pontos em fevereiro).

O indicador quantitativo do consumo privado desacelerou entre janeiro e março, interrompendo a trajetória crescente observada até dezembro, devido a um contributo positivo menos intenso de ambas as componentes, consumo corrente e consumo de bens duradouros.

Já o indicador de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) estabilizou em março, "interrompendo a expressiva trajetória ascendente iniciada em junho de 2016".

As componentes de material de transporte e de máquinas e equipamentos apresentaram "um contributo positivo menos acentuado", o que foi compensado pelo maior contributo positivo da componente de construção.

Em Portugal, o Produto Interno Bruto (PIB) aumentou 2,8% em volume em termos homólogos no primeiro trimestre (2% no quarto trimestre de 2016). Na Área Euro (AE), o PIB em termos reais subiu 1,7% no primeiro trimestre, em termos homólogos,(1,8% no trimestre anterior).

Em abril, os indicadores de confiança dos consumidores e de sentimento económico aumentaram na Área Euro. No mesmo mês, os preços das matérias-primas e do petróleo registaram taxas de variação em cadeia de -2,3% e 1% respetivamente (-2,4% e -6,3% em março).

O documento mostra ainda que as exportações e importações de bens aceleraram em março, registando variações homólogas de 17,1% e 15,3% (12,9% e 14,9% em fevereiro), refletindo em parte efeitos de calendário.

Considerando a atividade económica na perspetiva da produção, os índices de volume de negócios da indústria e dos serviços e o índice de produção da construção e obras públicas aceleraram em março. Já o índice de produção industrial desacelerou em março.

No primeiro trimestre, a taxa de desemprego fixou-se em 10,1%, inferior em 0,4 pontos percentuais à taxa registada no trimestre anterior e significativamente mais baixa do que a observada no mesmo período de 2016 (12,4%).

O emprego total cresceu expressivamente, passando de uma variação homóloga de 1,8% no 4º trimestre de 2016 para 3,2%, enquanto a população ativa registou um ligeiro crescimento homólogo de 0,6%, o que representou uma recuperação face ao trimestre anterior (variação de -0,2%).

A variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor (IPC) passou de 1,4% em março para 2% em abril.

Lusa

  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.