sicnot

Perfil

Economia

Bolsa de Londres abre a subir 0,60% um dia após as eleições

Átrio central do edifício da bolsa de Londres

© Suzanne Plunkett / Reuters

A Bolsa de Londres abriu, hoje, em alta de 0,60%, um dia após as eleições legislativas antecipadas, que ditaram a perda da maioria absoluta do Partido Conservador, liderado pela primeira-ministra, Theresa May.

Às 07:43, a libra perdia 2% frente ao dólar, depois das eleições de quinta-feira no Reino Unido.

O Partido Conservador, liderado pela primeira-ministra, perdeu a maioria absoluta nas eleições legislativas antecipadas, segundo resultados oficiais, divulgados hoje.

Quando estavam contados os votos de 632 dos 650 círculos eleitorais, o Partido Conservador tinha conseguido eleger 308 deputados, número que matematicamente o impede de alcançar os 326 necessários para conquistar a maioria absoluta no parlamento.

O Partido Trabalhista, de Jeremy Corbyn, somava 257 deputados, enquanto que o Partido Nacionalista Escocês (SNP) contava com 34 assentos e os liberais-democratas com 12.

Com estes resultados, o Reino Unido tem o que se conhece por "hung parliament", literalmente parlamento suspenso, em que nenhum partido consegue lugares suficientes para formar uma maioria absoluta e não poderá governar sozinho, precisando do apoio de outras formações políticas.

O Partido Conservador partiu para as eleições com 330 deputados, contra os 229 dos Trabalhistas.

Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".