sicnot

Perfil

Economia

Portugal colocou 1.250 M€ em dívida a 5 e 10 anos a juros mais baixos

Portugal colocou hoje 1.250 milhões de euros, montante máximo anunciado, em Obrigações do Tesouro (OT) a cinco e a dez anos a taxas de juro inferiores face a operações anteriores comparáveis.

Segundo a página da Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP) na Bloomberg, a dez anos foram colocados 750 milhões de euros em Obrigações do Tesouro à taxa de juro média de 2,851%.

A cinco anos, foram colocados 500 milhões de euros em Obrigações do Tesouro à taxa média de 1,198%.

A procura atingiu 1.507 milhões de euros para as OT a cinco anos, 3,01 vezes superior ao montante colocado, e 1.456 milhões de euros para as OT a dez anos, 1,94 vezes o montante colocado.

O IGCP tinha divulgado que regressava, hoje, ao mercado para realizar dois leilões das linhas de OT com maturidade em outubro de 2022 e em abril de 2027, com um montante indicativo global entre 1.000 milhões e 1.250 milhões de euros.

No dia 10 de maio - último leilão comparável -, Portugal colocou 618 milhões de euros de OT com maturidade em 17 de outubro de 2022 (cinco anos e cinco meses) à taxa de juro de 1,828%, mais baixa do que a registada em abril (2,174%).

No mesmo dia, em OT com maturidade em 14 de abril de 2027 (nove anos e 11 meses), o IGCP colocou 632 milhões de euros a uma taxa de juro de 3,386%, também inferior à do anterior leilão comparável de março, de 3,950%.

A procura de OT a cinco anos atingiu, na altura, 1.253 milhões de euros, 2,03 vezes superior ao montante colocado, e a de OT a dez anos cifrou-se em 1.216 milhões de euros, 1,92 vezes superior ao montante colocado.

Lusa

  • Presidente da Proteção Civil demitiu-se

    País

    O Presidente da Autoridade Nacional da Proteção Civil (ANPC), Joaquim Leitão, pediu esta quarta-feira a demissão com efeitos imediatos. A carta de demissão foi enviada para o Ministério da Administração Interna, no entanto, uma vez que a ministra também se demitiu, o documento seguiu para o gabinete do primeiro-ministro, António Costa.

  • "Foi um golpe muito forte"
    1:41
  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão

  • SIC acompanhou Francisco George no último dia como diretor-geral da Saúde
    6:20