sicnot

Perfil

Economia

FMI considera que Zona Euro está a recuperar mas são precisas mais reformas

© Kai Pfaffenbach / Reuters

O Fundo Monetário Internacional (FMI) considera que a zona euro está a recuperar, mas alerta para a necessidade de reformas em "todos os países", e sugere a Portugal que aproveite este contexto para fazer aumentar a sua 'almofada' financeira.

Num relatório preliminar de análise à Zona Euro, divulgado na quinta-feira à noite, o FMI afirma que "a recuperação está a fortalecer-se e a tornar-se mais abrangente", com maior consumo privado e criação de emprego, mas continuam a ser necessárias "reformas estruturais nos países, de modo a estimular a produtividade, reduzir as lacunas de competitividade, e ajudar a reavivar a convergência de rendimentos em toda a união".

A Portugal, Itália e França, países com elevada dívida e "pouca ou nenhuma margem fiscal", o FMI aconselhou a "consolidarem-se gradualmente, de uma forma que estimule o crescimento, para reconstruírem as 'almofadas' financeiras, aproveitando a vantagem da recuperação".

Em termos gerais, o relatório frisa que os países devem aproveitar a "margem de manobra" da recuperação para avançar com "reformas estruturais" e garante que "reformas bem delineadas podem aumentar a produtividade sem implicar dolorosas reduções de emprego".

"A grande responsabilidade em implementar reformas tanto na produtividade como no trabalho é dos países", sublinha.

Se todos os países adotarem as recomendações do FMI, tal resultaria numa "situação orçamental neutra" na Zona Euro em 2018, "o que é apropriado, à luz da recuperação".

Entre os problemas na união monetária, o FMI aponta a inflação, que continua a "níveis indesejavelmente baixos".

"Os países que já estão a operar em plena capacidade devem ajudar no processo de recuperação, aceitando inflação acima dos 2% por um período prolongado de tempo e promovendo mais procura doméstica", indica o relatório.

Apesar da recuperação, a Zona Euro "enfrenta fraquezas estruturais profundas e desequilíbrios", que "fazem questionar a promessa de rendimentos mais elevados através da integração".

"As lacunas de competitividade nos países da Zona Euro aumentaram nos anos após a adoção do euro e continuam amplas, apesar dos ajustamentos dolorosos pós-crise que, nos países mais afetados, inevitavelmente se centraram na perda de emprego".

Para aproximar os países em termos de competitividade é necessário aumentar a produtividade, diz o FMI.

O relatório destaca também a importância de agir perante bancos com fracos resultados, incluindo através do seu encerramento. "Os bancos têm de ser reestruturados e consolidados, descontinuando linhas de negócio não rentáveis, desenvolvendo novas fontes de rendimentos que não resultem dos juros, e racionalizando os níveis de pessoal e as suas redes de agências", pode ler-se.

"Apesar de alguns bancos de grande dimensão, perante a pressão do mercado, terem aumentado o capital e melhorado a rentabilidade recentemente, a fragilidade estrutural continua a penalizar os lucros em muitos bancos de pequena e média dimensão.

Houve poucas resoluções ou encerramentos de bancos, o que sugere uma relutância das autoridades nacionais em aplicar totalmente a Diretiva para a Recuperação e Resolução de Bancos, e uma falta de coordenação entre as várias instituições envolvidas ao nível da Zona Euro", afirma.

Em relação ao 'Brexit', o FMI admite que pode trazer "desafios", mas também "oportunidades para fazer avançar a união de mercados de capital".

"A confiança dos investidores pode ser reduzida pelas incertezas do 'Brexit', e - a médio prazo - as cadeias de abastecimento distribuídas entre o Reino Unido e a Europa continental podem sofrer perturbações.

A migração das atividades financeiras multifacetadas de Londres para o 'continente' pode resultar em perdas em economias de escala e em algum - provavelmente modesto - impacto nos custos de transações", afirma o FMI.

Lusa

  • FMI pede à Alemanha para gastar mais

    Economia

    O Fundo Monetário Internacional (FMI) criticou hoje de novo os excedentes alemães, considerados demasiado elevados, incitando o país a baixar os impostos e investir para estimular a procura interna e as economias dos parceiros comerciais.

  • "Serei o Presidente de todos os angolanos"
    2:06
  • Costa de Metro de Odivelas para Lisboa para relembrar corrida entre burro e Ferrari
    2:55

    Autárquicas 2017

    António Costa começou hoje o dia de campanha em Odivelas, para uma viagem de Metro até Lisboa, em que recordou a célebre corrida entre um burro e um Ferrari que protagonizou em 1993 quando foi canditado do PS à Câmara de Loures. Foi nesta cidade, onde ontem à noite, que desferiu um violento ataque a Pedro Passos Coelho, acusando-o de transformar o PSD num partido que não é digno de um Estado democrático.

  • O aeroporto de Beja, um "elefante branco" na planície alentejana
    4:33
  • Supervisão bancária origina novo diferendo entre Carlos Costa e Governo
    0:57

    Economia

    Reacendeu-se a guerra entre o Governo e o governador do Banco de Portugal. Em conferência na sede do banco, esta segunda-feira, Carlos Costa deixou uma crítica indireta ao novo modelo de supervisão bancária. O ministro das Finanças, Mário Centeno, não gostou e exigiu a Carlos Costa que se retratasse, mas o governador recusou-se.

  • Paciente há 15 anos em estado vegetativo consegue seguir objetos e mexer a cabeça

    Mundo

    Um homem de 35 anos, que ficou em estado vegetativo após um acidente de viação há 15 anos, deu sinais de consciência depois de lhe ter sido aplicada uma nova técnica de estimulação nervosa. Cirurgiões implantaram no paciente um pequeno aparelho que estimula o nervo vago, responsável pela ligação nervosa entre o cérebro e o resto do corpo. A intervenção aconteceu em França e a descoberta foi publicada na revista científica Current Biology.