sicnot

Perfil

Economia

Catarina Martins pede ponderação na reação à perspetiva da Fitch

Catarina Martins pede ponderação na reação à perspetiva da Fitch

A coordenadora do Bloco de Esquerda afirmou este sábado, em Santarém, que a revisão em alta da perspetiva do rating de Portugal pela Fitch significa que já ninguém pode ignorar os resultados económicos do país, mas advertiu que é preciso "ponderação".

Lembrando que o BE "sempre teve uma posição muito crítica sobre as agências de notação", que, frisou, "não mudaram de política", Catarina Martins afirmou que "há resultados económicos no nosso país que ninguém pode neste momento ignorar, o que faz com que do ponto de vista internacional comecem a ser de alguma maneira reconhecidos".

A líder bloquista, que falou aos jornalistas durante uma visita à Feira Nacional da Agricultura, que decorre até domingo no Centro Nacional de Exposições e Mercados Agrícolas (CNEMA), em Santarém, alertou, contudo, para a necessidade de "alguma ponderação", pois o crescimento económico "é, ainda assim, muito pequeno face à destruição da economia que aconteceu nos últimos anos".

Para Catarina Martins, é natural que as pessoas se perguntem onde é que estão os resultados dessas "boas notícias" nas suas vidas.

"Precisamos de fazer muito mais" e "compreender também que a pressão internacional sobre o nosso país não vai diminuir", declarou, sublinhando que tanto a Comissão Europeia, como o Eurogrupo, como as agências de notação "continuam a confundir reformas com cortes".

A coordenadora do BE reafirmou que, se em Portugal foi possível alguma melhoria, foi porque não foram seguidos os conselhos destas instituições internacionais.

"Se há alguma lição que temos que retirar do caminho que está agora a ser feito é que deve ser aprofundado", declarou, dando como exemplos a necessidade de se regressar à legislação laboral que existia antes da troika, a valorização dos salários, o combate à precariedade.

"Temos um longo caminho a fazer para que as pessoas possam ver na sua vida concreta os efeitos de uma economia que está a dar alguns passos positivos que são importantes", afirmou.

Sublinhando que a avaliação da Fitch "não mudou absolutamente nada neste momento", Catarina Martins afirmou que tanto as agências de notação como a Comissão Europeia não "mudaram a sua estratégia económica", pelo que "continuam a dizer que o país deve fazer tudo aquilo que felizmente não foi fazendo para haver crescimento económico".

"Nunca vieram boas notícias nem bons conselhos da Comissão e das agências de notação. Tudo o que fazem é reconhecer o que já é evidente para toda a gente, que há crescimento económico e algum emprego, mas não mudaram de posição e portanto as pressões vão continuar, o que quer dizer que a determinação país para não se votar atrás tem que ser cada vez mais forte", disse.

A líder bloquista reafirmou ainda a necessidade de "um trabalho mais profundo sobre a dívida", salientando que enquanto não houver uma renegociação da dívida "o país vai estar sempre de coração nas mãos, à espera de uma qualquer agência de notação, que tem sempre critérios que nunca obedecem à economia".

"Em todo caso, qualquer boa notícia para o país dá alguma folga. Se dá folga vamos então às reformas estruturais de que o país verdadeiramente precisa para que as pessoas sintam as melhorias na sua vida", disse.

Na sexta-feira, a agência de notação financeira Fitch reviu a perspetiva da dívida pública portuguesa de estável para positiva e manteve a nota em BB+.

Com Lusa

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • ERSE concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões euros a mais à EDP
    0:53

    País

    José Gomes Ferreira afirmou esta sexta-feira que a ERSE -Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões de euros a mais do que o necessário à EDP. Contratos que foram postos em prática em 2007 por Manuel Pinho, na altura ministro da Economia.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59