sicnot

Perfil

Economia

Ataque cibernético global pode custar até 121 mil milhões de dólares

Kacper Pempel

Um ataque cibernético de dimensões globais pode gerar perdas que podem chegar aos 121 mil milhões de dólares, mais do que o prejuízo causado pelo furacão Sandy de 2012, segundo um estudo publicado esta segunda-feira pela seguradora Lloyd's.

O estudo procurou medir o impacto económico potencial de um ataque causado por piratas informáticos ('hackers') e de outro ataque às informações guardadas na 'cloud' (servidores virtuais), calculando que as perdas podem variar entre os 4,6 mil milhões e os 121 mil milhões de dólares(105,5 mil milhões de euros) num caso de ataque extremo.

"Devido à dificuldade em quantificar as perdas com precisão, o número pode chegar a 121 mil milhões de dólares ou ficar limitado a 15 mil milhões", explicou a seguradora Lloyd's, que apresentou o estudo, citada pela AFP.

Para efeito de comparação, o furacão Sandy, o segundo mais destruidor desde que começaram os registos, gerou perdas económicas avaliadas entre os 50 e os 70 mil milhões de dólares.

Os valores apresentados incluem os gastos de recuperação dos sistemas e os prejuízos causados durante um ano pela perda ou atraso nas operações informáticas que sustentam a grande maioria das empresas.

"Estima-se que até 2016 os ataques cibernéticos tenham custado cerca de 450 mil milhões de dólares às empresas em todo o mundo", acrescenta o relatório hoje publicado.

Lusa

  • A casa dos horrores
    7:57
  • PGR e presidente do Supremo deixam recado à ministra da Justiça
    2:45

    País

    Durante a abertura do ano judicial, a Procuradora-Geral da República e o presidente do Supremo Tribunal aproveitaram para deixar um recado à ministra da Justiça: é urgente aprovar o novo estatuto de juízes e magistrados. O presidente do Supremo diz que é injusta a má imagem da Justiça e pediu contenção aos magistrados.

  • Rui Rio tem sentido "alguma turbulência" no PSD
    2:01

    País

    Rui Rio e Pedro Passos Coelho tiveram esta quinta-feira a primeira reunião, desde que foi eleito o novo líder do PSD. À saída, Passos Coelho desejou que esta transição decorra com naturalidade. Já Rui Rio disse que tem sentido alguma turbulência no partido.

  • Sindicatos rejeitam fim das baixas médicas até três dias
    2:02

    País

    A CGTP quer levar o tema das baixas médicas à Concertação Social, já a UGT diz que há outras matérias prioritárias. Ainda assim as duas centrais sindicais lembram que a não justificação de faltas pode dar origem a um despedimento por justa causa. Esta quinta-feira o bastonário da Ordem dos Médicos propôs ao Governo que acabe com as baixas de curta duração, até três dias.

  • Papa interrompe percurso no Chile para ajudar polícia
    0:21
  • "Mundo à Vista" no Gana
    7:38