sicnot

Perfil

Madeleine McCann

Livro americano sobre o desaparecimento de "Maddie" defende teoria de Gonçalo Amaral

A teoria de que Madeleine McCann não foi raptada voltará a ser impressa nas páginas de um livro, desta vez da autoria de Brian Johnson. Escrito em inglês, “Faked Abduction” (Falso Rapto, em português) defende que a teoria de rapto fio montada para esconder o que o livro alega ser a verdade sobre o que aconteceu a Madeleine. A publicação está programada para a Internet e para o mercado norte-americano antes do Natal e serve como resposta à proibição do livro de Gonçalo Amaral, “Madeleine, A Verdade da Mentira”.

Em declarações à SIC, um dos responsáveis pela publicação do livro e autor do site truthfornadeleine.com afirmou ter estado em negociações com o antigo inspector da PJ para a publicação do livro em solo norte-americano. "As negociações foram canceladas após a decisão do juiz português, por isso decidimos escrever um livro em inglês que é factual e não especulativo", defendeu o responsável conhecido como Stevo.



Segundo a mesma fonte, o título "Faked Abduction" é a conclusão de um trabalho profundo de investigação. O documento inclui ainda inúmeros excertos dos ficheiros da investigação levada a cabo pela PJ está já a ser traduzido para alemão para uma possível publicação internacional.



Segundo o autor, o livro "ilustra as inconsistências das várias testemunhas, as constantes alterações nas versões e a falta de cooperação policial por parte dos McCann e dos seus amigos, conhecidos como os Tapas 7". "Os McCann tentaram impedir as pessoas de publicarem a verdade sobre o caso (…) depois de lerem o livro, decidam por vocês mesmo se esta foi ou não um Falso Rapto", afirma Brian Johnson no texto de apresentação de "Faked Abduction".



O porta-voz de Kate e Gerry McCann afirmou não ter conhecimento do livro mas assegurou que qualquer tentativa de difamação enfrentará a justiça.

  • O dia em que Marcelo apitou um jogo de futebol

    País

    Habituado a ajuizar os momentos de tensão entre Governo e oposição, Marcelo Rebelo de Sousa foi esta quarta-feira árbitro, literalmente. Tudo aconteceu num jogo de futebol entre crianças, durante a visita do Presidente da República a São Tomé e Príncipe.

  • Dia de homenagens e muito futebol para Marcelo em São Tomé
    3:01

    País

    No segundo dia da visita de Estado a São Tomé e Príncipe, o Presidente da República prestou homenagem às vítimas do massacre de Batepá, em 1953. Marcelo Rebelo de Sousa não pediu desculpa pela história, mas lembrou que é preciso assumir as coisas menos boas do passado. O dia terminou com o Presidente a mostrar que ainda está em forma.

  • Imprensa espanhola considera Rúben Semedo a pior contratação de sempre do Villarreal
    3:35

    Desporto

    Rúben Semedo vai esta quinta-feira ser ouvido por um juiz de instrução, que vai ditar as medidas de coação no caso em que o jogador é suspeito de roubo, agressões e posse ilegal de arma. O defesa português do Villarreal passa mais uma noite nas instalações da Guardia Civil, em Valência. Alguns media espanhóis chamam-lhe agora a pior contratação de sempre da história do clube.

  • Patinadora enfrenta "pesadelo" nos Olímpicos

    Desporto

    A patinadora Gabriella Papadakis enfrentou na segunda-feira um dos "piores pesadelos" da sua vida, durante a estreia nos Jogos Olímpicos de Inverno, em Pyeongchang, na Coreia do Sul. Durante a apresentação, a parte de cima do vestido da francesa saiu do lugar e revelou parte do seu seio. Mas este não foi o único caso de incidentes com figurinos. Também a sul-coreana Yura Min quase ficou despida durante a sua apresentação.

    SIC