sicnot

Perfil

Agressões em Ponte de Sor

Advogado de Ruben Cavaco lamenta falta de resposta do Governo iraquiano

O advogado do jovem alegadamente agredido em Ponte de Sor por dois irmãos iraquianos lamentou hoje que o Governo do Iraque ainda não se tenha pronunciado sobre o levantamento da imunidade diplomática.

"Continua tudo como estava. O Governo Iraquiano pediu um prazo de quinze dias para se pronunciar, o prazo esgotou na sexta-feira e não há respostas", disse Santana-Maia Leonardo, advogado do jovem agredido, Ruben Cavaco, de 16 anos, em declarações à agência Lusa.

O ministro dos Negócios Estrangeiros iraquiano garantiu no dia 23 de setembro que o país não se oponha à investigação aos filhos do seu embaixador em Lisboa e que um enviado decidiria o levantamento da sua imunidade nas próximas duas semanas.

"O meu colega iraquiano disse que não se oporão a qualquer exigência da lei para que a investigação possa ser concluída", disse na altura em Nova Iorque o ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, no final de uma reunião com o seu homologo iraquiano, Ibrahim Al-Jaafari.

Santana- Maia Leonardo lamenta o impasse que se vive nesta altura em redor desta questão, acrescentando ainda que o Governo do Iraque tem uma "certa obrigação moral" de justificar ao Governo Português o atraso na sua resposta.

Contactada pela Lusa, fonte da família de Ruben Cavaco disse que "ainda têm esperança" que seja levantada a imunidade diplomática aos dois irmãos nos próximos dias, apesar de já ter esgotado o prazo que foi estipulado pelo Governo do Iraque.

No dia 17 de agosto, Ruben Cavaco foi agredido em Ponte de Sor, no distrito de Portalegre, alegadamente pelos filhos do embaixador do Iraque em Portugal, gémeos de 17 anos.

O jovem alentejano sofreu múltiplas fraturas, tendo sido transferido no mesmo dia do centro de saúde local para o Hospital de Santa Maria, em Lisboa, tendo chegado a estar em coma induzido. O jovem acabou por ter alta hospitalar no passado dia 2.

Os dois rapazes suspeitos da agressão são filhos do embaixador iraquiano em Portugal, Saad Mohammed Ali, e têm imunidade diplomática, ao abrigo da Convenção de Viena.

Lusa

  • Mãe diz que Ruben Cavaco perdeu a alegria e ainda tem falhas de memória
    7:29

    Agressões em Ponte de Sor

    O jovem espancado há pouco mais de um mês em Ponte de Sor diz que não aceita um pedido de desculpas. Ruben Cavaco deu a primeira entrevista à SIC, na qual identificou os agressores e disse que espera que se faça justiça. Ruben Cavaco não tem saído de casa e não recuperou toda a memória. Aconselhado a não responder a algumas questões, o jovem afirmou que os amigos não provocaram confusão, como os filhos do embaixador tinham dito anteriormente. Já a mãe diz que o filho perdeu a alegria. Veja aqui a entrevista exclusiva a Ruben Cavaco.

  • Cessar-fogo de 30 dias na Síria
    2:07

    Mundo

    O Conselho de Segurança das Nações Unidas chegou este sábado a acordo sobre o cessar-fogo na Síria, depois de três dias de intensas negociações para evitar o veto da Rússia. As tréguas vão durar 30 dias e permitir a entrada de ajuda humanitária em Ghouta Oriental, a região mais atingida pela guerra na Síria, nesta altura. Em apenas sete dias, os bombardeamentos do regime fizeram mais de 500 mortos.

  • Portugueses e espanhóis protestam em Salamanca contra mina de urânio
    0:38

    País

    O Bloco de esquerda desafia o Governo português a exigir às autoridades espanholas uma avaliação do impacto ambiental da mina de urânio a 40 quilómetros da fronteira portuguesa. Este caso está gerar contestação entre os ambientalistas. Várias associações portuguesas participaram este sábado numa manifestação em Salamanca. A Quercus diz-se preocupada com o impacto da mina de urânio no território português.

  • PS e PSD querem acordo sobre fundos e descentralização até ao verão
    3:07
  • Assalto a Tancos e roubo de armas da PSP podem estar relacionados
    1:24

    País

    O assalto a Tancos e o roubo de três armas da PSP, recuperadas na semana passada, podem estar relacionados. O semanário Expresso avança hoje que há suspeitos de terem participado nos dois assaltos e o grupo, ou parte dele, atua principalmente do Algarve, com possíveis ligações a outras organizações espalhadas pelo país ou até transacionais.

  • As gravações que provam que as autoridades conheciam o perfil violento de Nikolas Cruz
    1:35