sicnot

Perfil

Arábia Saudita-Irão

Arábia Saudita-Irão

Arábia Saudita-Irão

Aministia Internacional condena execução de 47 pessoas na Arábia Saudita

A Amnistia Internacional condenou hoje a execução de 47 pessoas realizada no sábado na Arábia Saudita, incluindo a do religioso xiita Nimr Baqir al-Nimr.

© Reuters Photographer / Reuter

"O assassínio de al-Nimr sugere que as autoridades da Arábia Saudita estão a empregar a pena de morte em nome do antiterrorismo para ajustar contas e oprimir os dissidentes", refere, em comunicado, o diretor da Amnistia Internacional para o Médio Oriente e Norte de África, Philip Luther.

Para a Amnistia Internacional, cumprir estas sentenças de morte "quando há sérias dúvidas sobre a legitimidade do julgamento, é uma justiça monstruosa e irreversível".

No sábado, foram executadas 47 pessoas por acusação de terrorismo, entre as quais a Nimr Baqir al-Nimr, figura da contestação contra o regime saudita.

O dirigente religioso xiita Nimr Bager al-Nimr, um acérrimo crítico do regime saudita, foi condenado à morte em outubro de 2014 por rebelião, "desobediência ao soberano" e "porte de armas".

Esteve na liderança dos protestos da população xiita em 2011 e 2012 no leste da Arábia Saudita, onde são maioritários, num país em que predomina o islamismo sunita, praticado por 85% dos 30 milhõe"O assassínio de al-Nimr sugere que as autoridades da Arábia Saudita estão a empregar a pena de morte em nome do antiterrorismo para ajustar contas e oprimir os dissidentes", refere, em comunicado, o diretor da Amnistia Internacional para o Médio Oriente e Norte de África, Philip Luther.

Para a Amnistia Internacional, cumprir estas sentenças de morte "quando há sérias dúvidas sobre a legitimidade do julgamento, é uma justiça monstruosa e irreversível".

No sábado, foram executadas 47 pessoas por acusação de terrorismo, entre as quais a Nimr Baqir al-Nimr, figura da contestação contra o regime saudita.

O dirigente religioso xiita Nimr Bager al-Nimr, um acérrimo crítico do regime saudita, foi condenado à morte em outubro de 2014 por rebelião, "desobediência ao soberano" e "porte de armas".

Esteve na liderança dos protestos da população xiita em 2011 e 2012 no leste da Arábia Saudita, onde são maioritários, num país em que predomina o islamismo sunita, praticado por 85% dos 30 milhões de habitantes.
s de habitantes.

Lusa

  • Prisão preventiva para homicida de Barcelos
    1:43

    País

    O alegado homicida de Barcelos vai ficar em prisão preventiva, por quatro crimes de homicídio. Adelino Briote foi ouvido este sábado de manhã no Tribunal de Braga, depois de na sexta-feira ter alegadamente degolado quatro pessoas na freguesia de Tamel, em Barcelos.

  • Homem suspeito de matar a mulher em Esmoriz

    País

    Um homem é suspeito de ter esfaqueado este sábado mortalmente a mulher em Esmoriz, concelho de Ovar, num contexto de violência doméstica, disse à agência Lusa fonte da Guarda Nacional Republicana (GNR).

  • Morte de portuguesa no Luxemburgo afinal não aconteceu

    País

    A morte de uma portuguesa em Bettembourg, no sul do Luxemburgo, não terá acontecido. O Jornal do Luxemburgo avançou, esta manhã, que a emigrante portuguesa tinha sido baleada mortamente pelo filho, uma informação entretanto desmentida por outro jornal online. Segundo o Bom Dia Luxemburgo, o que aconteceu foi afinal uma rusga policial.

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Milhares nas cerimónias fúnebres de dirigente do Hamas

    Mundo

    Milhares de palestinianos participaram nas cerimónias fúnebres de um dirigente do Hamas, assassinado esta sexta-feira, na Faixa de Gaza. Vários homens armados acompanharam o cortejo fúnebre até à mesquita, onde se fizeram as últimas orações.