sicnot

Perfil

Arábia Saudita-Irão

Arábia Saudita-Irão

Arábia Saudita-Irão

Arábia Saudita cumpre a 51ª execução do ano

Um saudita condenado à morte por homicídio foi executado hoje em Riade, elevando para 51 o número de execuções na Arábia Saudita desde o início do ano.

A execução do clérigo xiita Nimr Baqir al Nimr provocou uma crise entre Riade e Teerão, levando a Arábia Saudita a anunciar, na semana passada, o corte de relações diplomáticas.

A execução do clérigo xiita Nimr Baqir al Nimr provocou uma crise entre Riade e Teerão, levando a Arábia Saudita a anunciar, na semana passada, o corte de relações diplomáticas.

© Reuters Photographer / Reuters (Arquivo)

Mechari al-Anzi foi considerado culpado de ter matado, a tiro, um outro saudita durante uma disputa, indicou o Ministério do Interior, em comunicado publicado pela agência oficial SPA.

Trata-se da 51ª execução desde o início do ano, depois das 47 realizadas a 02 de janeiro, de 47 pessoas condenadas por "terrorismo", incluindo o clérigo xiita Nimr Baqir al Nimr, cuja morte provocou uma crise entre Riade e Teerão, levando a Arábia Saudita a anunciar, na semana passada, o corte de relações diplomáticas.

Dois outros condenados à pena capital foram executados na semana passada e uma etíope, condenada pela morte de uma saudita, foi, por seu lado, executada no domingo.

Na Arábia Saudita, as execuções de condenados geralmente são feitas por via da decapitação e acontecem em público.

Em 2015, as execuções atingiram um número recorde em 20 anos. Segundo uma contagem da agência noticiosa AFP, com base em dados oficiais, a Arábia Saudita executou 153 pessoas, contra as 87 executadas em 2014.

Lusa

  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • O ensino à distância em Portugal
    4:12

    País

    Em Portugal, o ensino básico e secundário à distância já conta com 300 alunos e com a preciosa ajuda das novas tecnologias. É através do computador que a escola viaja e acompanha os alunos, alguns com doenças que não os permitem ir às aulas, outros que são atletas de alta competição e que têm a maior parte do tempo ocupado por treinos ou ainda os que fazem parte de famílias itenerantes, como é o caso dos que vivem no circo e andam de terra em terra.

  • Aprender a jogar badminton ao ritmo do samba
    2:54

    Mundo

    No Brasil, a correspondente da SIC foi conhecer um projeto social no Rio de Janeiro que mistura samba e desporto. Um desporto que ainda é pouco praticado mas que tem sido fundamental para transformar a vida de jovens das favelas e para descobrir novos talentos do badminton brasileiro.

    Correspondente SIC