sicnot

Perfil

Arábia Saudita-Irão

Arábia Saudita-Irão

Arábia Saudita-Irão

Arábia Saudita cumpre a 51ª execução do ano

Um saudita condenado à morte por homicídio foi executado hoje em Riade, elevando para 51 o número de execuções na Arábia Saudita desde o início do ano.

A execução do clérigo xiita Nimr Baqir al Nimr provocou uma crise entre Riade e Teerão, levando a Arábia Saudita a anunciar, na semana passada, o corte de relações diplomáticas.

A execução do clérigo xiita Nimr Baqir al Nimr provocou uma crise entre Riade e Teerão, levando a Arábia Saudita a anunciar, na semana passada, o corte de relações diplomáticas.

© Reuters Photographer / Reuters (Arquivo)

Mechari al-Anzi foi considerado culpado de ter matado, a tiro, um outro saudita durante uma disputa, indicou o Ministério do Interior, em comunicado publicado pela agência oficial SPA.

Trata-se da 51ª execução desde o início do ano, depois das 47 realizadas a 02 de janeiro, de 47 pessoas condenadas por "terrorismo", incluindo o clérigo xiita Nimr Baqir al Nimr, cuja morte provocou uma crise entre Riade e Teerão, levando a Arábia Saudita a anunciar, na semana passada, o corte de relações diplomáticas.

Dois outros condenados à pena capital foram executados na semana passada e uma etíope, condenada pela morte de uma saudita, foi, por seu lado, executada no domingo.

Na Arábia Saudita, as execuções de condenados geralmente são feitas por via da decapitação e acontecem em público.

Em 2015, as execuções atingiram um número recorde em 20 anos. Segundo uma contagem da agência noticiosa AFP, com base em dados oficiais, a Arábia Saudita executou 153 pessoas, contra as 87 executadas em 2014.

Lusa

  • Celebridades protestam contra Donald Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por um avalanche em Itália
    1:44
  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida