sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Testemunha diz que atacantes dispararam durante 10-15 minutos

​Os atacantes da sala de espetáculos parisiense Bataclan dispararam de rosto descoberto durante vários minutos contra o público que assistia a um concerto, tendo inclusive recarregado as armas, relatou um jornalista presente no local.

© Christian Hartmann / Reuters

O diário francês Libération reproduziu no seu sítio na internet o testemunho de Julien Pearce, jornalista da Europe 1, que se encontrava no Bataclan quando começou o tiroteio.

"Vários indivíduos armados entraram no concerto e dois ou três de rosto descoberto começaram a disparar com armas automáticas de tipo 'kalachnikov' ao acaso sobre a multidão", relatou.

Julien Pearce estimou que o ataque terá durado "entre 10 e 15 minutos", destacando que "foi extremamente violento e houve pânico".

Detalhou ainda que "os assaltantes tiveram tempo de recarregar as armas pelo menos por três vezes", que "não estavam mascarados, estavam senhores de si, eram muito jovens".

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.