sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Governo espanhol avalia possibilidade de reunir-se com PSOE sobre terrorismo

O Governo espanhol quer fazer uma reunião com o principal partido da oposição, os socialistas do PSOE, com quem fez um pacto contra o terrorismo, para analisar a situação dos atentados em Paris.

IAN LANGSDON

Em declarações à televisão nacional espanhol, TVE, o ministro do Interior (Administração Interna) de Espanha afirmou que hoje o executivo de Mariano Rajoy vai avaliar "a oportunidade" de manter um encontro com o PSOE, de Pedro Sánchez, no quadro do pacto antiterrorista assinado em fevereiro entre o presidente do Governo e o líder da oposição.

Espanha terá eleições gerais (o equivalente às legislativas em Portugal) a 20 de dezembro.

O ministro Jorge Fernández Díaz destacou à TVE que o pacto antiterrorista tem sido um instrumento de "grande eficácia e utilidade" permitindo um contacto "muito fluído" entre o Governo e o PSOE nesta mantéria.

Também no sábado, o Governo espanhol vai analisar a necessidade de elevar o nível de alerta antiterrorista para o máximo, na sequência dos atentados terroristas em Paris.

Espanha está atualmente no nível 4 de alerta (numa escala que vai até cinco). O executivo de Mariano Rajoy tinha elevado o alerta para o nível atual após os atentados jihadistas de junho em França, Tunísia, Kuwait e Somália. Este nível 4 indica um "risco alto de atentado" e pressupõe um maior controlo policial, incluindo o policiamento de infraestruturas consideradas críticas.

No início do mês, a polícia espanhola deteve três marroquinos residentes em Madrid, alegadamente vinculados ao Estado Islâmico, suspeitos de estarem a preparar atentados terroristas em território espanhol, nomeadamente na própria capital espanhola.

Os três homens constituíam "um grupo vinculado à organização terrorista DAESH" (acrónimo árabe para o autodenominado Estado Islâmico).

Desde o início do ano, a polícia espanhola já deteve mais de 90 suspeitos jihadistas (mais de 60 em território espanhol e pelo menos 27 noutros países).

O número de jihadistas detidos pelas autoridades espanholas desde os atentados de 11 de março de 2004 na estação de Atocha, em Madrid, ascende a mais de 590.

Vários ataques registados hoje à noite, em Paris, provocaram a morte de pelo menos cem pessoas, segundo fontes policiais.

O Presidente francês, François Hollande, já anunciou o estado de emergência e o encerramento das fronteiras de França na sequência do que classificou de "ataques terroristas sem precedentes" no país.

Lusa

  • Vem lá chuva

    País

    A chuva vai voltar a Portugal continental a partir de quarta-feira e pelo menos até domingo, enquanto as temperaturas mínimas deverão subir.

  • "O Sporting é o um barco à deriva"
    2:26
    O Dia Seguinte

    O Dia Seguinte

    2ªFEIRA 21:50

    A crise do Sporting foi o principal tema em O Dia Seguinte, esta segunda-feira. José Guilherme Aguiar censura Bruno de Carvalho por ter convidado Jorge Jesus para a comissão de honra da recandidatura. Já Rogério Alves não tem dúvidas que a contestação tem aumentado de tom devido à proximidade das eleições do Sporting. Rui Gomes da Silva pensa que toda a direção leonina é responsável pelo mau momento atual do clube.

  • Deputado do PS abandona partido e pode colocar em causa maioria parlamentar
    2:28

    País

    Domingos Pereira foi eleito pelo círculo de Braga. Agora, vai demitir-se do Partido Socialista e entregar o cartão de militante. Contudo, mantém-se no Parlamento, passando assim a deputado independente na Assembleia da República. Pode estar em causa a maioria parlamentar quando o PCP se abstiver.

    Notícia SIC

  • Violação emitida em direto no Facebook

    Mundo

    Três homens foram detidos na Suécia, por suspeitas de violação de uma mulher, num apartamento a 70 quilómetros da capital. Os suspeitos filmaram o ato de violência e exibiram-no em direto no Facebook.

  • "O México não acredita em muros"
    0:45

    Mundo

    Em resposta a Donald Trump, o Presidente mexicano diz que o país não acredita em muros, mas em pontes. Enrique Peña Nieto diz ainda que o México vai procurar dialogar com os Estados Unidos sem confrontos, mas também sem submissão.