sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Vaticano condena "ataque à paz da Humanidade"

A Santa Sé condenou hoje os atentados em Paris, que fizeram pelo menos 120 mortos, considerando-os "um ataque à paz de toda a Humanidade que requer uma reação decidida e conjunta".

© Stephen Lam / Reuters


"Estamos a acompanhar no Vaticano as terríveis notícias de Paris. Estamos consternados com esta nova manifestação de violência terrorista sem sentido e de ódio, a qual condenamos da forma mais categórica junto com o papa e com todas as pessoas que amam a paz. Rezamos pelas vítimas e pelos feridos e por todo o povo francês", escreveu o porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi na mensagem enviada em nome da Santa Sé.

"Trata-se de um ataque à paz de toda a Humanidade que requer uma reação decidida e conjunta por parte de todos para lutar contra a propagação do ódio homicida em todas as suas formas", concluiu.

Vários ataques registados na sexta-feira à noite, em Paris, provocaram pelo menos 120 mortos e pelo menos 500 pessoas ficaram feridas, segundo fontes policiais.

O Presidente francês, François Hollande, já anunciou o estado de emergência e o encerramento das fronteiras de França na sequência do que classificou de "ataques terroristas sem precedentes" no país. A segurança nas ruas da cidade foi reforçada com 1.500 soldados.

Lusa

  • Seca agrava prejuízos agrícolas no Alentejo
    2:11
  • Al Gore e Garry Kasparov vão estar na Web Summit

    Web Summit

    Al Gore, antigo vice-Presidente dos Estados Unidos da América, Garry Kasparov, lendário jogador de xadrez, e Steve Huffman, o dirigente e cofundador da rede social Reddit são os novos nomes anunciados para a 2.ª Web Summit em Lisboa.

  • Estudantes universitários poderiam estar a pagar propinas mais baixas
    2:02

    País

    Os alunos universtários poderiam estar a pagar propinas mais baixas do que pagam atualmente. A situação foi denunciada pela Federação Académica do Porto, que diz que os estudantes estão a pagar cerca de 100 euros a mais do que deviam. O INE admite, num documento enviado ao Governo, que pode existir um método melhor para o cálculo destes valores.