sicnot

Perfil

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Ataques em Paris

Primeiro-ministro húngaro diz que "terroristas exploraram migrações em massa"

O primeiro-ministro húngaro afirmou hoje que os autores dos atentados em Paris na sexta-feira "exploraram as migrações em massa" para a União Europeia (UE) e defendeu os direitos dos europeus à "autodefesa".

© Bernadett Szabo / Reuters

"De forma deliberada e organizada, os terroristas exploraram as migrações em massa ao misturarem-se com a multidão que deixou as suas residências à procura de uma vida melhor", disse Viktor Orban ao discursar no parlamento húngaro, onde voltou a defender uma "linha intransigente" em matéria de imigração.

O chefe do executivo húngaro descreveu o "direito à autodefesa" dos europeus como algo que "é mais forte que os outros" (direitos).

Lusa

  • Hungria continua a travar entrada de refugiados
    6:08

    SIC Europa

    Na rota dos Balcãs, a Hungria é o país que mais dificuldades coloca aos refugiados que procuram chegar à Europa. As fronteiras têm vedações de arame farpado e são impostas penas de prisão para quem entrar de forma ilegal. Mas a História da Hungria está cheia de fluxos de refugiados. Só em 1956, 200 mil húngaros viram-se obrigados a pedir refúgio fora do país quando fugiam da opressão do regime pró-soviético. A reportagem é dos enviados da SIC.

  • Resgatada mais uma criança com vida após sismo em Itália
    0:30
  • Ilibados trabalhadores castigados por consulta de dados fiscais

    País

    Os funcionários da Autoridade Tributária, que tinham sido castigados por terem consultado dados fiscais, foram absolvidos. O jornal Público avançou hoje que as orientações contra as sanções a aplicar aos funcionários partiram do ex-secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Rocha Andrade.

  • Brasileiros procuram Portugal
    3:59

    País

    Viver em Portugal é hoje em dia um grande sonho da classe média brasileira. De acordo com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, só em 2016, o número de vistos de residência aumentarem em mais de 30%. A língua, a segurança e a qualidade de vida são as razões apontadas para a mudança. Todos os dias, no consulado português no Rio de Janeiro, para a obtenção de vistos.

  • Repórteres fazem relato impressionante dos acontecimentos em Charlottesville
    3:40